Retorno do Investimento: Fórmula, Avaliação, Críticas

Retorno do Investimento

Avaliar o desempenho de um centro de investimento requer mais do que relatórios precisos sobre custos e margens por segmento. Além disso, um centro de investimento é responsável por obter um retorno adequado sobre o investimento.

A fórmula do retorno do investimento (ROI)

O retorno sobre o investimento (ROI) é definido como o lucro operacional líquido dividido pelos ativos operacionais médios:

ROI = Lucro operacional líquido / Ativos operacionais médios

Quanto maior o retorno sobre o investimento (ROI) de um segmento de negócios, maior será o lucro obtido por dólar investido nos ativos operacionais do segmento.

Compreendendo o ROI

A equação do ROI, resultado operacional líquido dividido pelos ativos operacionais médios, não fornece muita ajuda aos gestores interessados em tomar medidas para melhorar o seu ROI. Oferece apenas duas alavancas para melhorar o desempenho – lucro operacional líquido e ativos operacionais médios.

Felizmente, o ROI também pode ser expresso da seguinte forma:

ROI = Margem x Faturamento

onde;

  • Margem = receita operacional líquida / vendas e
  • Volume de negócios = Vendas / Ativos operacionais médios

Observe que os termos da venda nas fórmulas de margem e volume de negócios se anulam quando são multiplicados, produzindo a fórmula original para o ROI declarado em termos de receita operacional líquida e ativos operacionais médios.

Portanto, qualquer uma das fórmulas para ROI dará a mesma resposta.

No entanto, a formulação da margem e do volume de negócios fornece algumas informações adicionais. Do ponto de vista de um gestor, margem e rotatividade são conceitos muito importantes.

A margem normalmente é melhorada aumentando as vendas ou reduzindo as despesas operacionais, incluindo o custo dos produtos vendidos e as despesas administrativas e de vendas.

Quanto menores forem as despesas operacionais por dólar de vendas, maior será a margem obtida. Alguns gestores tendem a concentrar-se demasiado na margem e a ignorar a rotatividade.

Contudo, a rotatividade incorpora uma área crucial da responsabilidade de um gestor – o investimento em ativos operacionais.

Fundos excessivos vinculados a ativos operacionais (por exemplo, caixa, contas a receber, estoques, instalações e equipamentos e outros ativos) deprimem o giro e reduzem o ROI.

O uso ineficiente de ativos operacionais pode prejudicar tanto a lucratividade quanto despesas operacionais excessivas, que deprimem a margem.

A EI du Pont de Nemours and Company (mais conhecida como DuPont 1) foi pioneira no uso do ROI. Eles reconheceram a importância de analisar tanto a margem como o volume de negócios na avaliação do desempenho de um gestor. O ROI é agora amplamente utilizado como a principal medida do desempenho do centro de investimento.

O ROI reflete em um único número muitos aspectos das responsabilidades do gestor.

Pode ser comparado aos retornos de outros centros de investimento da organização, aos retornos de outras empresas do setor e aos retornos anteriores do próprio centro de investimento.

Esta exposição ajuda os gerentes a entender como podem melhorar o ROI. Qualquer aumento no ROI deve envolver pelo menos um dos seguintes:

  1. Aumento de vendas
  2. Despesas operacionais reduzidas
  3. Ativos operacionais reduzidos

Muitas ações envolvem combinações de mudanças em vendas, despesas e ativos operacionais.

Por exemplo, um gestor pode investir (ou seja, aumentar) ativos operacionais para reduzir despesas operacionais ou aumentar as vendas. Se o efeito líquido é favorável ou não, é avaliado em termos do seu impacto global no ROI.

Críticas ao ROI

Embora o ROI seja amplamente utilizado na avaliação de desempenho, ele está sujeito às seguintes críticas:

  1. Apenas dizer aos gestores para aumentarem o ROI pode não ser suficiente. Os gestores podem não saber como aumentar o ROI; eles podem aumentar o ROI de uma forma inconsistente com a estratégia da empresa ou podem tomar medidas que aumentem o ROI no curto prazo, mas prejudiquem a empresa no longo prazo (como reduzir a pesquisa e o desenvolvimento). É por isso que o ROI é melhor usado como parte de um Balanced Scorecard. Um Balanced Scorecard pode fornecer orientações concretas aos gestores, tornando mais provável que as suas ações sejam consistentes com a estratégia da empresa e reduzindo a probabilidade de melhorarem o desempenho a curto prazo em detrimento do desempenho a longo prazo.
  2. Um gestor que assume um segmento de negócio normalmente herda muitos custos comprometidos sobre os quais não tem controle. Estes custos comprometidos podem ser relevantes na avaliação do desempenho do segmento empresarial como investimento, mas tornam difícil avaliar de forma justa o desempenho do gestor.
  3. Conforme discutido na próxima seção, um gestor avaliado com base no ROI pode rejeitar oportunidades de investimento que sejam lucrativas para toda a empresa, mas que prejudicariam a avaliação de desempenho do gestor.

Conclusão

O primeiro método, abordado nesta seção, é chamado de retorno sobre o investimento (ROI). O segundo método, abordado na próxima seção, é chamado de renda residual.