Reconhecimento e avaliação de contas a receber

Reconhecimento e avaliação de contas a receber

As contas a receber são faturas de clientes não pagas que representam dinheiro devido a uma empresa. É um ativo no balanço até o recebimento do pagamento.

O que são contas a receber?

Uma conta a receber decorrente de mercadorias vendidas por conta. Na maioria das transações de recebíveis, o valor a ser reconhecido é o preço de troca entre duas partes. A troca é o valor devido pelo devedor e geralmente é comprovada por alguns tipos de documentos comerciais.

Na maioria das transações de recebíveis, o valor a ser reconhecido é o preço de troca entre as duas partes. O preço de troca é o valor devido pelo devedor (cliente ou mutuário). Alguns tipos de documentos comerciais, muitas vezes uma fatura, servem como prova do preço de troca.

Dois fatores que podem complicar a medição do preço de câmbio são;

  1. Descontos comerciais e à vista: A disponibilidade de descontos e
  2. Elemento de interesse: o período de tempo entre a venda e a data de vencimento dos pagamentos.

Descontos comerciais

Os preços podem estar sujeitos a descontos comerciais ou de quantidade.

As empresas utilizam esses descontos comerciais para evitar mudanças frequentes nos catálogos, para alterar preços para diferentes quantidades adquiridas ou para ocultar dos concorrentes o verdadeiro preço da fatura.

Os descontos comerciais são comumente cotados em porcentagens.

Por exemplo, digamos que seu livro tenha um preço de tabela de $90 e a editora o venda para livrarias universitárias com um desconto comercial de 30%, sem apatia.

A editora então registra o valor a receber em $63 por livro didático. Pela prática normal, o editor simplesmente deduz o desconto comercial do preço de tabela e fatura o valor líquido do cliente.

Descontos à vista (descontos em vendas)

As empresas oferecem descontos à vista (descontos nas vendas) para induzir o pagamento imediato. Os descontos à vista são geralmente apresentados em termos como 2/10, n/30 (2 por cento se pago dentro de 10 dias, valor bruto devido em 30 dias), ou 2/10, OM, líquido 30, EOM (2 por cento se pago qualquer antes do décimo dia do mês seguinte, com pagamento integral recebido até o trigésimo dia do mês seguinte).

As empresas geralmente aceitam descontos nas vendas, a menos que seu dinheiro seja severamente limitado. Por que?

Uma empresa que recebe uma redução de 1% no preço de venda para pagamento em 10 dias, com pagamento total devido em 30 dias, ganha efetivamente 18,25% (0,01-e-[20/365J), ou pelo menos evita essa taxa do custo de juros.

As empresas geralmente registram as vendas e transações de descontos de vendas relacionadas, inserindo o valor a receber e a venda pelo valor bruto.

Nesse método, as empresas reconhecem descontos nas vendas somente quando recebem um pagamento dentro do período de desconto. O a demonstração do resultado mostra os descontos nas vendas como uma dedução das vendas para chegar às vendas líquidas.

Alguns afirmam que os descontos nas vendas não obtidos refletem penalidades adicionadas a um preço estabelecido para incentivar o pagamento imediato.

Ou seja, o vendedor oferece vendas à vista a um preço um pouco mais alto do que se vendesse à vista. O desconto à vista oferecido compensa o aumento.

Assim, os clientes que pagam dentro do período de desconto compram pelo preço à vista. Aqueles que pagam após o término do período de desconto pagam uma multa pelo atraso – um valor acima do preço à vista.

Por esse raciocínio, as empresas registram vendas e recebíveis líquidas.

Posteriormente, debitam quaisquer descontos não realizados em Contas a Receber e creditam em Descontos de Vendas Perdidos.

A diferença entre os métodos bruto e líquido é mostrada abaixo.

Certamente! Fornecerei um exemplo de cálculo para o método bruto e o método líquido e o adicionarei à tabela. Vamos supor que uma empresa venda mercadorias no valor de $1.000 com condições de crédito de 2/10, líquido 30 (desconto de 2% se pago em 10 dias, caso contrário, o valor total será devido em 30 dias).

Aqui está a tabela atualizada:

#Método BrutoMétodo líquido
ReceitaValor total da fatura registrado inicialmente como receita.Receita registrada pelo valor descontado inicialmente.
DescontoReconhecido como conta de contrapartida de receita.Não reconhecido como receita; registrado como uma redução no A/R.
PagamentoSe o cliente pagar dentro do período de desconto:
– Conta de desconto de débito e contas a receber de crédito.
Se o cliente não pagar dentro do período de desconto:
– Sem entradas adicionais.
Se o cliente pagar dentro do período de desconto:
– Débito de contas a receber e crédito de conta de desconto.
Se o cliente não pagar dentro do período de desconto:
– Sem entradas adicionais.
FinanceiroReceita inicialmente exagerada; ajustado se o desconto for obtido.Receita inicialmente subestimada; ajustado se o desconto não for obtido.

Exemplo de cálculo:

Supondo que o cliente pague dentro do período de desconto (10 dias) usando o método bruto:

Método Bruto:
Débito: Contas a Receber $1.000
Crédito: Receita de vendas $1.000
Crédito: Desconto de vendas $20 (2% de $1.000)

O valor líquido recebido do cliente seria $980 ($1.000 – desconto $20).

Agora vamos calcular o método líquido:

Método líquido:
Débito: Contas a Receber $980 ($1.000 – desconto $20)
Débito: Desconto de vendas $20 (2% de $1.000)
Crédito: Receita de vendas $1.000

Neste caso, o valor líquido recebido do cliente permanece o mesmo em $980.

Atualizei a tabela com o cálculo de exemplo.

Se usar o método bruto, uma empresa relata descontos nas vendas como uma dedução das vendas na demonstração do resultado.

O reconhecimento adequado de despesas exige que a empresa também estime razoavelmente os descontos esperados a serem obtidos e debite esse valor nas vendas.

Se usar o método líquido, a empresa considera os descontos em vendas perdidos como um item de “Outras receitas”. Teoricamente, o reconhecimento dos Descontos de Vendas Perdidos está correto.

O valor a receber é avaliado mais próximo do seu valor de realização e o valor da venda líquida mede a receita auferida com a venda.

Na prática, porém, as empresas raramente utilizam o método líquido porque requer análise e contabilidade adicionais.

Por exemplo, o método líquido requer ajustando entradas para registrar descontos sobre vendas perdidos em contas a receber que já passaram do período de desconto.

Não reconhecimento do elemento de interesse

Idealmente, uma empresa deveria mensurar os recebíveis em termos de seu valor presente, ou seja, o valor descontado do dinheiro a ser recebido no futuro. Quando os recebimentos de caixa esperados exigem um período de espera, o valor nominal a receber não vale o valor que a empresa acabará.

Suponha que a Best Buy faça uma venda por conta de $1.000, com pagamento devido em quatro meses. A taxa de juros anual aplicável é de 12% e o pagamento é feito ao final de quatro meses.

O valor presente dessa conta a receber não é $1.000, mas $961,54 ($1.000 x0,96154). Em outras palavras, o $1.000 que a Best Buy recebe daqui a quatro meses não é o mesmo que o $1.000 recebido hoje.

Teoricamente, qualquer receita após o período de venda é receita de juros.

Na prática, as empresas ignoram as receitas de juros relacionadas com contas a receber porque o valor do desconto normalmente não é relevante para o lucro líquido do período.

A profissão exclui especificamente das considerações de valor presente “contas a receber decorrentes de transações com clientes no curso normal dos negócios que são devidas em termos comerciais habituais não superiores a aproximadamente um ano”.

Avaliação de Acconta a receber

Geralmente, Recebíveis decorrentes de mercadorias vendidas ou serviços. A avaliação de recebíveis é um pouco mais complexa. As contas a receber de curto prazo são avaliadas e reportadas pelo seu valor líquido realizado ou esperado em dinheiro.

As contas a receber devem ser registradas líquidas de quaisquer descontos que se espera serem obtidos e quaisquer devoluções ou abatimentos de vendas antecipados, quaisquer alterações financeiras ou de juros não obtidas incluídas em seu valor nominal e quaisquer itens incobráveis previstos.

O relatório de contas a receber envolve;

  1. Classificação e
  2. Avaliação no balanço patrimonial.

A classificação envolve determinar por quanto tempo cada conta a receber ficará pendente. As empresas classificam os recebíveis destinados a serem cobrados no prazo de um ano ou do ciclo operacional, o que for mais longo, como circulantes.

Todos os demais recebíveis são classificados como de longo prazo. As empresas avaliam e reportam as contas a receber de curto prazo pelo valor realizável líquido, o valor líquido que esperam receber em dinheiro.

A determinação do valor realizável líquido requer a estimativa tanto dos valores a receber incobráveis como de quaisquer devoluções ou provisões a serem concedidas.

Contas a receber incobráveis

As vendas em qualquer base que não seja dinheiro tornam incerta a possibilidade de cobrança da conta.

Uma conta a receber incobrável é uma perda de receita que requer, por meio de um lançamento adequado nas contas, uma diminuição nas contas a receber do ativo e uma redução relacionada no lucro e no patrimônio líquido.

As empresas reconhecem a perda de receita e a diminuição da receita registrando despesas com devedores duvidosos.

Métodos de gravação incobráveis

As empresas usam dois procedimentos para registrar contas incobráveis:

  1. Método de baixa direta.
  2. Método de permissão.

Método de baixa direta

Nenhuma entrada é feita até que uma conta específica tenha sido definitivamente estabelecida como incobrável.

Em seguida, a perda é registrada creditando Contas a Receber e debitando Despesas com Inadimplência. Este método não é GAAP.

Método de mesada

É feita uma estimativa das contas incobráveis esperadas de todas as vendas feitas por conta ou do total de contas a receber pendentes.

Essa estimativa é registrada como despesa e redução indireta do contas a receber por meio do aumento da conta de provisão no período em que a venda é registrada.

Este método é GAAP.

Uma conta a receber é uma entrada de caixa prospectiva. A probabilidade de sua coleta deve ser considerado na avaliação dos fluxos de caixa.

Estas estimativas normalmente baseiam-se no seguinte;

  1. Abordagem de porcentagem de vendas (demonstração de resultados)) ou
  2. Abordagem de contas a receber pendentes (balanço patrimonial).

Porcentagem de vendas (abordagem de demonstração de resultados)

Suponha que haja uma relação bastante estável entre as vendas a crédito do ano anterior e as dívidas incobráveis. Nesse caso, uma empresa pode converter essa relação em uma porcentagem e usá-la para determinar as despesas com devedores duvidosos deste ano.

A abordagem percentual de vendas combina custos com receitas porque relaciona o encargo ao período em que uma empresa registra a venda.

Para ilustrar, suponhamos que a Chad Shum Way Corp estima, com base na experiência, que cerca de 2% das vendas a crédito se tornam incobráveis.

Se Chad Shum Way tiver vendas a crédito de $400.000 em 2010, ele registrará despesas com dívidas inadimplentes usando o método de porcentagem de vendas da seguinte forma:

DataTítulo das contasReferênciaDébitoCrédito
Despesa com dívidas incobráveis 8,000
Provisão para devedores duvidosos8,000

A Provisão para Devedores Duvidosos é uma conta de avaliação (um ativo de contrapartida), subtraída das contas a receber no balanço patrimonial.

O valor da despesa com devedores duvidosos e o crédito relacionado na conta de provisão não são afetados por qualquer saldo atual da conta.

Como a estimativa de despesas com devedores duvidosos está relacionada a uma conta nominal (Vendas), qualquer saldo na provisão é ignorado.

Portanto, o método da porcentagem de vendas consegue uma correspondência adequada entre custos e receitas. Este método é frequentemente referido como abordagem de demonstração de resultados.

Abordagem de contas a receber pendentes (balanço patrimonial)

Utilizando a experiência passada, uma empresa pode estimar a percentagem das suas contas a receber pendentes que se tornarão incobráveis sem identificar contas específicas.

Este procedimento fornece uma estimativa razoavelmente precisa do valor realizável dos valores a receber. Mas não se enquadra no conceito de correspondência entre custos e receitas.

Em vez disso, simplesmente reporta as contas a receber no balanço pelo valor realizável líquido. Portanto, é chamada de abordagem de percentual de contas a receber (ou balanço patrimonial).

As empresas podem aplicar este método usando uma taxa composta que reflita uma estimativa dos valores a receber incobráveis.

Ou as empresas podem estabelecer um calendário de antiguidade das contas a receber, que aplica uma percentagem diferente com base na experiência anterior às várias categorias de idade.

Um cronograma de vencimento também identifica quais contas requerem atenção especial, indicando até que ponto determinadas contas estão vencidas.

As empresas geralmente não preparam um cronograma de vencimento para determinar despesas com inadimplência.

Em vez disso, eles o preparam como um dispositivo de controle para determinar a composição das contas a receber e identificar contas inadimplentes.

As empresas baseiam o percentual de perda estimado desenvolvido para cada categoria na experiência anterior de perdas e no aconselhamento do pessoal do departamento de crédito.

Problemas na avaliação de contas a receber

Os problemas básicos que ocorrem na avaliação do Contas a Receber são-

  • A determinação do valor nominal das Contas a Receber porque é uma função do desconto comercial, do desconto à vista e de certas contas de provisão, como a provisão para devoluções de vendas e
  • A probabilidade de cobrança futura das contas
  • O período de tempo entre as vendas e a data de vencimento dos pagamentos (a compensação de juros).