Como funciona o princípio da contribuição em seguros

Como funciona o princípio da contribuição em seguros

Qual é o Princípio da Contribuição?

O princípio da contribuição é implementado quando várias apólices de seguro cobrem a mesma propriedade ou perda. O pagamento total pela perda real é dividido proporcionalmente entre todas as seguradoras.

Nos seguros, o princípio da contribuição nasce do princípio da indemnização. Costuma-se manter a existência continuada para preservar o princípio da indenização.

Portanto, o princípio da contribuição só se aplica àqueles contratos de seguro, que são contratos de indenização.

Na verdade, porém, teria havido possibilidades de obter mais do que a perda real se o princípio da contribuição não tivesse sido estabelecido com força legal. Só para dar uma probabilidade, o segurado teria recebido um sinistro integralmente várias vezes, afetando uma série de apólices com diferentes seguradoras, anulando assim totalmente o princípio da indemnização.

Sub-rogação, portanto, surgiu com o princípio da contribuição com o único intuito de preservar o princípio da indenização.

A contribuição é um direito que uma seguradora, que pagou sob uma apólice, tem de convocar outras seguradoras interessadas no sinistro para pagar ou contribuir com taxa capaz para o pagamento.

Isto significa que se, no momento do sinistro, for constatado que existe mais de uma apólice cobrindo o mesmo sinistro, então todas as apólices deverão pagar o sinistro proporcionalmente à extensão de suas respectivas responsabilidades, para que o segurado não receba mais do que uma perda total de todas essas fontes.

Suponha que uma determinada seguradora pague a perda total. Nesse caso, essa seguradora terá o direito de convocar todas as seguradoras interessadas para reembolsá-lo na medida de suas responsabilidades individuais, de forma igualitária ou não.

O segurado, em nenhuma hipótese, poderá usufruir de todas as apólices individualmente para obter o número total de sinistros. Mesmo que o segurado se recupere de todas as apólices, ele deverá reembolsar todos os pagamentos que excederem a perda real sofrida.

Como este princípio vem virtualmente ao resgate do princípio da indemnização, portanto, tal como a sub-rogação, a afirmação “é um corolário do princípio da indemnização” aplica-se igualmente bem no que diz respeito ao princípio da contribuição.

Dado que os contratos de vida e de acidentes pessoais não são contratos de indemnização, este princípio não se aplica aos mesmos.

O Princípio da Contribuição: Aplique-o às Reivindicações de Apólices

É virtualmente do ponto de vista da liquidação de sinistros que esta doutrina é de vital importância. A este respeito, as seguintes considerações devem ser observadas cuidadosamente;

Quando o princípio da contribuição funciona

Antes que a contribuição possa operar, as seguintes condições devem ser atendidas;

  1. Deve haver mais de uma apólice envolvida e todas as apólices que cobrem a perda devem estar em vigor. Isto é bem compreendido. Se houver apenas uma apólice envolvida, não há nada que possa contribuir, e da mesma forma, se, no momento da perda, for constatado que uma determinada apólice do lote não está em vigor por algum motivo pelo qual essa apólice não pode ser chamada para contribuir.
  2. Todas as políticas devem cobrir o mesmo assunto. Se todas as apólices cobrissem os mesmos assuntos segurados, mas assuntos completamente diferentes, então a questão da contribuição não se colocaria.
  3. Todas as apólices devem cobrir o mesmo perigo causador da perda. Se as apólices cobrirem riscos diferentes, alguns comuns e outros incomuns, e se um perigo comum não causar a perda, a questão da contribuição não se colocaria.
  4. Todas as apólices devem cobrir os mesmos juros do mesmo segurado. Um exemplo tornará a proposição clara. Suponhamos que “A” seja proprietário de um carro e tenha obtido um empréstimo de “B” como garantia do carro. Aqui tanto A como B têm interesses seguráveis e podem, portanto, afectar as apólices individualmente. No caso de danos a um carro, tanto A quanto B receberão sinistros de forma independente e nenhuma contribuição será aplicada entre as apólices.

A razão é que os interesses são diferentes e também os segurados. Deve-se lembrar que se algum dos quatro fatores acima não for cumprido, a contribuição não será aplicada;

Como funciona o princípio da contribuição

Uma vez estabelecido que os fatores acima foram satisfeitos e a contribuição deve ser aplicada, o próximo passo é descobrir a responsabilidade de cada apólice.

Normalmente, isso ocorre com base no valor segurado de cada apólice e é comumente conhecido como responsabilidade proporcional ou respectiva responsabilidade de cada apólice. A fórmula aplicada é,

Como funciona o princípio da contribuição em seguros

Vejamos os exemplos abaixo para ter uma ideia melhor;

Como funciona o princípio da contribuição em seguros

O Princípio da Contribuição no Direito e Contrato de Seguros

Deve-se ter claramente em mente que mesmo que não haja condição de contribuição na apólice, ou seja, mesmo que não seja mencionada na apólice, essa contribuição será aplicada. No entanto, é direito legal das seguradoras obter o benefício da contribuição.

O direito está implícito na lei. No entanto, a posição sobre quando e como o direito pode ser exercido difere no direito consuetudinário e nas condições políticas.

De acordo com o direito consuetudinário, a posição é que o segurado pode reivindicar o valor total da perda de qualquer uma das seguradoras de sua escolha, quando essa seguradora tiver o trabalho de solicitar contribuições de outras seguradoras interessadas.

Mas sob uma condição da apólice, as seguradoras podem exigir que o segurado reivindique proporcionalmente de todas as seguradoras desde o início, em vez de reivindicar integralmente a apólice sujeita a esta condição.

Na prática, as políticas não marítimas geralmente contêm uma condição como tal, e é muito raro encontrar tal condição nas políticas marítimas.