Pesquisa de Engenharia: Definição, Exemplos

Definição de pesquisa de engenharia, exemplos

Pesquisa e desenvolvimento em engenharia, também conhecida como P&D, é o processo sistemático de aprendizagem e construção de novas tecnologias para projetar um produto.

Ao contrário da investigação científica, a investigação em engenharia não se preocupa em descobrir como o mundo funciona, mas em como as coisas podem funcionar para um determinado propósito.

Tal investigação poderá envolver muitos estudos científicos; no entanto, os engenheiros trabalham para criar soluções de design para problemas do mundo real.

A parte de desenvolvimento da pesquisa e desenvolvimento em engenharia refere-se à tentativa de construir o produto final; muitos estágios de desenvolvimento, cada um com vários graus de prontidão, podem ser necessários para que o projeto seja bem-sucedido.

Qual é o objetivo principal da pesquisa e desenvolvimento (P&D) em engenharia?

Pesquisa e desenvolvimento (P&D) em engenharia é um processo sistemático focado em aprender sobre e construindo novas tecnologias de design de produtos. Ao contrário da investigação científica, está mais preocupada em saber como as coisas podem funcionar para um propósito específico do que em descobrir como o mundo funciona.

Como a pesquisa em engenharia difere da pesquisa científica?

Enquanto a investigação científica procura compreender o funcionamento do mundo, a investigação em engenharia está mais preocupada em criar soluções de design para problemas do mundo real. Seu objetivo é determinar como as coisas podem funcionar para um determinado propósito.

Exemplos de pesquisa em engenharia

Exemplo 1

Haque, Hasan e Rahman (2008) descrevem em seu artigo intitulado “Projeto, construção e teste de um sistema híbrido de aquecimento solar ambiente” como desenvolveram sistemas de aquecimento solar ambiente com a utilização de energia renovável, onde a energia solar é convertida em calor energia e transportado para a sala ou espaço alvo a ser condicionado.

O ar, neste caso, é o meio. Na antiguidade, como afirmam os autores, os abrigos eram construídos para deixar entrar a luz solar e evitar a perda de calor.

A versão melhorada deste conceito é conhecida como “efeito estufa”, onde uma combinação de uma superfície escura e uma cobertura transparente resulta numa lacuna energética.

Esta energia térmica é então fornecida ao ambiente para aquecimento.

O sistema de aquecimento foi projetado para um espaço de 27 m3. A temperatura ambiente era de 20°C, com previsão de subir para 23°C. Para atingir esta meta, 98.136 kJ de energia térmica era necessária para fornecer dentro da sala.

Devido à indisponibilidade de tal sala, o experimento foi realizado em uma sala que ocupava quase três vezes o espaço desejado. Como resultado, a temperatura desejada não estava disponível.

Contudo, o desempenho do sistema de aquecimento cruzado foi impressionante.

Exemplo #2

Em um estudo sobre o desempenho de algoritmos de eleição de líderes em redes de sensores móveis, Mamun, Rahman e Mottalib (2008) estudaram extensivamente problemas em Redes de Sensores Móveis.

Em seu estudo, eles implementaram uma ideia estendida de um algoritmo de eleição de líder existente para economia de energia em mudanças topológicas arbitrárias.

Neste método, concentraram-se na redução do número de processos de eleição de líderes para torná-lo mais eficiente em termos energéticos.

Ao contrário das soluções anteriores, o algoritmo propôs que cada nó mantivesse uma lista de candidatos para minimizar o número de eleições de líderes.

Os resultados da simulação mostram que este Algoritmo de Eleição de Líder Candidato para Redes de Sensores tem muito menos eleições de líder e gera um número menor de mensagens do que o algoritmo de eleição de líder existente.