Falando: Estilos, Propósito, Estratégias

Falando

pensar precede falar. Mas falar é tão normal para nós que tendemos a falar antes de pensar. No entanto, essa abordagem improvisada pode ser um problema nos negócios.

Antes de usar esta ferramenta, você precisa saber quais objetivos você alcançará com ela. Para começar, você tem que abandonar o hábito de falar espontaneamente, sem planejar o conteúdo e a forma de falar.

Você deve aprender a gerenciar a impressão que cria, adaptando conscientemente seus comentários e estilo de apresentação para se adequar à situação. Lembre-se de que falar requer tanta autoconsciência quanto escrever.

Se você sabe como se escreve, poderá facilmente aplicar os mesmos princípios de composição no planejamento da comunicação oral. Antes de falar, você precisa ter clareza sobre seu propósito, sua ideia principal e seu público.

Organize seus pensamentos de forma lógica, decida um estilo que corresponda às circunstâncias e depois revise mentalmente suas afirmações. Ao falar, veja se suas palavras estão causando a impressão pretendida no ouvinte. Se não forem, você poderá transmitir a mensagem de forma diferente. Se a mensagem ainda não estiver clara para o ouvinte, continue mudando seu estilo e palavras.

Estilos de falar

Lembre-se de que várias situações exigem diferentes estilos de fala, assim como várias tarefas de redação exigem diferentes estilos de escrita. Três estilos distintos de fala são marcados por mudanças no vocabulário, na qualidade da voz e na estrutura das frases:

Estilo expressivo

O estilo expressivo é espontâneo, coloquial e sem preconceitos. Nós o usamos enquanto conversamos, expressamos abertamente nossos sentimentos, contamos piadas de maneira descontraída, reclamamos livremente ou nos misturamos informalmente com as pessoas. Por exemplo: “Um bom cidadão é aquele que ama o seu país”, “Ela tem um bom coração”.

Estilo diretivo

O estilo diretivo é autoritário e crítico. Usamos esse estilo para dar ordens, exercer autoridade, julgar ou emitir opiniões. Por exemplo: “Taher deve ir para Comilla no dia 5 de dezembro”.

Estilo de resolução de problemas

O estilo de resolução de problemas é racional, impessoal, imparcial e plano. A maioria das negociações comerciais utiliza esse estilo, principalmente quando precisamos resolver problemas e atingir objetivos.

Por exemplo;

  1. "Senhor. Hossain deveria fazer sua apresentação mais precisa.”
  2. “Os alunos devem ser gentis”, etc.

Ao escolher um desses estilos, você também deve considerar os aspectos não-verbais de sua comunicação, porque as pessoas extraem mais significado de sua linguagem corporal, expressões faciais e tom de voz do que de suas palavras.

No entanto, enquanto você conversa ao telefone, é o seu tom de voz que é muito importante, e nem a sua expressão facial nem a sua linguagem corporal têm qualquer significado. Mas lembre-se de manter a atitude “você” em sua conversa sempre que puder. Isso garante a boa vontade do ouvinte para com você.

Preparando-se para falar

Na preparação para fazer discursos e apresentações orais, você precisa adotar quase as mesmas estratégias que usa ao se preparar para conduzir reuniões e entrevistas.

Lições de casa semelhantes, como definir seu propósito, conhecer o público, decidir sobre as estratégias de discurso e desenvolver um plano para apresentar seus pontos de vista, precisam ser feitas antes de você se levantar para falar.

Mas uma diferença importante entre discursos e apresentações e entrevistas e reuniões é que os discursos e apresentações são geralmente dirigidos a reuniões maiores.

Assim, a interação entre o público e o palestrante é diferente daquela no caso de entrevistas e reuniões. Geralmente, sendo de natureza pública, com eventos públicos, discursos e apresentações orais raramente abordam questões emocionais ou problemas pessoais (como fazem algumas entrevistas).

Por último, no que diz respeito ao conteúdo e à estrutura, os discursos e apresentações assemelham-se, em grande medida, a relatórios formais. Para ter sucesso, o orador deve ter cuidado com o seguinte.

Definindo o propósito de falar

A interação entre o orador e o público depende de como o orador fala e por que fala. O propósito determina o tamanho da participação do público. Normalmente, falar tem alguns propósitos:

Para informar ou analisar: Quando você fornece informações ou analisa uma situação ao seu público, ocorre alguma interação entre você e o público. Tal apresentação é idêntica às mensagens escritas, após as quais o público faz comentários e perguntas para esclarecer seus pontos.

Para persuadir ou agradar: caso você tente persuadir ou agradar, geralmente você fala a maior parte do tempo enquanto o público ouve. Então você é o controlador da mensagem.

Para motivar ou cooperar: A interação ocorre principalmente quando seu propósito é motivar ou cooperar com seu público em uma determinada ação, solução de um problema ou chegada a uma decisão.

Você pode começar preparando seu público com fatos e números que aumentem a conscientização do público sobre o assunto. Argumentos também podem ser usados para convencê-los de seus pontos de vista.

Além disso, você pode envolver o público pedindo opiniões, sugestões, comentários, perguntas, recomendações e assim por diante. Lembre-se de que, nesse modo interativo de falar, você tem muito pouco controle sobre o público e o material.

Conhecendo o público

Você precisa adaptar seu discurso à natureza, tamanho, formação e atitude do seu público. Para planejar

seu discurso, a princípio você deve considerar o tamanho do seu público. Um público pequeno é bom para a tomada de decisões. Mas se o seu público for composto por mais de 10 pessoas, você não deve tentar chegar a um consenso através de um método de troca mútua.

Em vez disso, falar diretamente sem feedback pode ser mais eficaz. Um público heterogêneo requer uma apresentação generalizada, enquanto um discurso focado é frutífero para um grupo homogêneo.

Antes de planejar sua apresentação, você também leva em consideração a formação social, educacional e econômica de seu público e redige seu discurso de acordo.

É melhor não usar expressões e palavras delicadas que possam ser incompreensíveis para os membros do seu público devido à sua escassez intelectual ou acadêmica. Além disso, você precisa antecipar a atitude do seu público em relação à sua personalidade, assunto, tom e estilo.

Decidindo sobre as estratégias de discurso

Sua mensagem deve ser clara, compreensível e precisa. Se a sua informação for colocada num formato ou linguagem que o público não entende, a sua mensagem será derrotada.

Para máximo impacto e alcance de seus objetivos, você deve definir a ideia principal, construir um esboço, estimar a duração adequada e decidir sobre o estilo mais eficaz.

Desenvolvendo a ideia principal

A ideia principal vincula seu assunto e propósito ao público-alvo. Ao desenvolver a ideia principal, tente torná-la interessante para o público.

A ideia principal mostra como seu público pode se beneficiar com sua mensagem. Declare a ideia principal em uma frase e depois elabore-a com argumentos e exemplos.

Desenvolvendo um esboço

O esboço deve ser estruturado de forma que conduza naturalmente ao assunto, ao objetivo e ao público para que a mensagem possa ser apresentada no prazo estipulado.

Você faria bem em estruturar seu breve discurso ou apresentação em forma de carta ou memorando. Por outro lado, discursos e apresentações mais longos devem assemelhar-se a relatórios formais.

A organização clara e direta é útil para acomodar as limitações do ouvinte. Você precisa ter certeza de que pode fornecer a opinião do público (dúvidas, sugestões, comentários e assim por diante) em seu esboço.

Adaptando a duração do discurso ao tempo estipulado

Normalmente, um falante pode pronunciar de 150 a 160 palavras por minuto. Você também deve considerar se o ouvinte consegue lidar com sua velocidade, dado o tamanho e as circunstâncias do público.

Você também precisa considerar o tipo de assunto sobre o qual falará, pois assuntos difíceis que exigem sintaxe difícil podem exigir uma entrega mais lenta.

Portanto, certifique-se de que seu assunto, objetivo e organização sejam congruentes com o tempo e o lugar. Isto é, você deve combinar seu material com o tempo determinado para que possa usar todo o tempo que lhe foi concedido e ainda assim permanecer dentro do seu esboço.

Escolhendo o estilo apropriado

Seu estilo de apresentação depende de quem é o seu público e como você gostaria de abordá-lo de acordo com o tamanho do público. Use o estilo formal se o seu público for grande e o assunto for sério. Por outro lado, o estilo informal é mais eficaz para pequenos grupos de ouvintes.

Conclusão

Falar e ouvir são atividades diárias essenciais. Como indivíduos sociais, nos envolvemos constantemente nesses atos. Por exemplo, os gestores conversam com os colegas, os vendedores com os clientes, os pais com os filhos e os professores com os alunos. Em todas as situações, falar é crucial. Da mesma forma, ouvir também é inevitável. Em qualquer grupo ou organização, devemos estar preparados para falar e ouvir.

Falar e ouvir são partes essenciais da comunicação oral. Eles permitem feedback e interação imediatos, com o falante e o ouvinte verificando a compreensão um do outro. Por meio deles, trocam-se ideias e discutem-se e resolvem-se problemas, promovendo a unidade do grupo.

No entanto, existem desvantagens. A fala geralmente acontece na hora, então os erros não podem ser facilmente corrigidos. Um ouvinte também pode perder detalhes se não estiver atento. Apesar desses desafios, é importante melhorar nossas habilidades de fala e compreensão auditiva.