Comunicação Não-Verbal: Funções, Tipos, Importância

Comunicação Não-Verbal: Funções, Tipos, Importância

A forma não-verbal é a mais comumente usada meio de comunicação no mundo na cultura. Às vezes, podemos não saber o nome exato deles, mas os usamos quase sempre. Os comportamentos não-verbais gozam de formalidade quase nula, porém dependendo da situação.

O que é comunicação não verbal?

Tipos de comunicação não verbal (explicados com exemplos)

A comunicação não verbal ocorre sem o uso de qualquer palavra oral ou escrita.

Em vez de escrito ou palavras orais, baseia-se em vários sinais não-verbais, como movimentos físicos, tarefas, cores, sinais, símbolos, gráficos de sinais, etc., para expressar sentimentos, atitudes ou informações.

Embora nenhuma palavra seja usada na comunicação não-verbal, ela pode comunicar com eficácia muitos sentimentos humanos com mais precisão do que os métodos verbais de comunicação.

Os tipos comuns de comunicação não verbal são; contato visual, expressões faciais, gestos, postura e orientação corporal, linguagem corporal, toque, paralinguística, silêncio.

A comunicação não verbal é feita sem palavras ou sem a emissão de palavras.

Bartol e Martin (2000:441) definem comunicação não-verbal como “comunicação por meio de elementos e comportamentos que não são codificados em palavras”.

É realizado por meio de códigos não-verbais, que consistem em símbolos que não são palavras, incluindo vocalizações não-palavras.

O movimento corporal, as expressões faciais, o uso do espaço ou outros artefatos são todos códigos não-verbais. Lesikar e Pettit (2002:648) definem comunicação não verbal como “Toda comunicação que não envolve palavras escritas nem faladas, mas ocorre sem palavras”. Quando a comunicação é feita com o uso de códigos não-verbais, ela é chamada de comunicação não-verbal.

Estudos estimam que os aspectos não-verbais representam entre 65 e 93 por cento do que é comunicado (Birdwhistell, 1970). Às vezes, as mensagens não-verbais contradizem a comunicação verbal, mas muitas vezes expressam sentimentos com mais precisão do que a linguagem falada ou escrita.

Funções da comunicação não verbal

A comunicação não verbal desempenha um papel significativo em nossas interações diárias. É a expressão simbólica de mensagens sem o uso de palavras ou enunciados verbais.

Mensagens não-verbais funcionam em conjunto com mensagens verbais para transmitir significado. A pergunta a ser feita é: como funcionam as mensagens não-verbais em relação a

A este respeito, Hickson e Stacks (1989) identificaram seis funções principais da comunicação não verbal: repetição, contradição, substituição, acentuação, suplementação ou modificação e regulação. A discussão a seguir fornece detalhes sobre essas funções:

Repetição

A repetição envolve o reforço de mensagens verbais por meio de redundância. Por exemplo, se alguém perguntar: “A que distância fica a próxima cidade?” e você responde com “Duas milhas” enquanto levanta simultaneamente dois dedos, essa redundância repete a mensagem verbal usando um canal diferente, facilitando a compreensão dos outros.

Contradição

A contradição é o oposto da repetição e nega a mensagem verbal. Ocorre quando sinais não-verbais, como tom de voz ou expressões faciais, contradizem as palavras faladas. Por exemplo, quando o tom de uma pessoa é sarcástico, contradiz o significado literal de suas palavras.

Substituição

A substituição envolve o uso de mensagens não-verbais para substituir mensagens verbais. Por exemplo, uma pessoa pode transmitir felicidade sorrindo e fechando o punho com o polegar levantado, substituindo a necessidade de palavras faladas para expressar sua alegria.

Acentuação

A acentuação ocorre quando mensagens não-verbais são usadas para enfatizar ou fortalecer palavras. Por exemplo, algumas pessoas podem levantar a voz ou usar gestos para enfatizar um ponto durante uma conversa. Essas dicas não-verbais acentuam suas declarações verbais.

Suplementação/Modificação

A suplementação ou modificação ocorre quando mensagens não-verbais acompanham palavras verbais para alterar ou melhorar ligeiramente seu significado. Por exemplo, um abraço pode complementar as palavras “Eu te amo” e um sorriso pode modificar a frase “É um prazer ver você”.

Regulamento

A regulação ocorre quando as mensagens não-verbais ajudam a controlar o fluxo da comunicação verbal. Elementos como contato visual, toque, posicionamento corporal e tom vocal são usados para regular as conversas. Por exemplo, um professor pode visitar um aluno fazendo contato visual.

Estas funções podem ocorrer separadamente ou em combinação, através de múltiplos canais e simultaneamente. Eles são cruciais para uma comunicação eficaz. No entanto, as mensagens não-verbais também podem ser uma fonte de confusão e falta de comunicação.

Importância da comunicação não verbal

Importância da comunicação não verbal

Alguns pontos importantes que expressam a importância, necessidade, vantagens ou funções da comunicação não verbal são discutidos a seguir:

Bem, expressão da atitude do palestrante

Várias dicas não-verbais do falante, como movimentos físicos, expressão facial, forma de expressão, etc., desempenham um papel importante na expressão do significado interno das mensagens em conversas e entrevistas cara a cara.

Por exemplo, a expressão facial do locutor indica sua atitude, determinação, profundidade de conhecimento, etc.

Fornecimento de informações sobre o remetente da mensagem escrita

O formato, a limpeza, a linguagem e a aparência do envelope utilizado em uma mensagem escrita transmitem uma mensagem não verbal sobre as provas do redator, escolha, nível de escolaridade, etc.

Expressando a atitude do ouvinte e do receptor

Às vezes, a aparência dos ouvintes e receptores transmite suas atitudes, sentimentos e pensamentos em relação às mensagens que leram ou ouviram.

Adquirindo conhecimento sobre uma classe de pessoas

Roupas, penteados, limpeza, joias, cosméticos e estatura das pessoas transmitem impressões sobre sua ocupação, idade, nacionalidade, nível social ou econômico, situação profissional, etc.

Por exemplo; estudantes, policiais, enfermeiras, etc. podem ser facilmente identificados através de suas roupas.

Adquirindo conhecimento sobre o status de uma pessoa

Os sinais não-verbais também ajudam a determinar o estatuto relativo das pessoas que trabalham numa organização. Por exemplo, tamanho da sala, localização, mobiliário, decoração, iluminação, etc. indicam a posição de uma pessoa na organização.

Comunicando uma mensagem comum a todas as pessoas

Em alguns casos, os sinais não-verbais podem expressar eficazmente muitas mensagens verdadeiras com mais precisão do que qualquer outro método de comunicação.

Por exemplo; a utilização de luzes vermelhas, amarelas e verdes e a utilização de diversas sinalizações no controle de veículos nas estradas.

Comunicação com pessoas com deficiência

Os sinais não-verbais de comunicação ajudam muito na comunicação com as pessoas com deficiência.

Por exemplo; a linguagem de comunicação com os surdos depende dos movimentos das mãos, dedos e globo ocular.

Transmitindo mensagem ao povo analfabeto

A comunicação com pessoas analfabetas através da mídia escrita é impossível. Também pode haver algumas situações que não permitem o uso de meios orais para comunicar com eles.

Em tais situações, métodos não-verbais como imagens, cores, gráficos, sinais e símbolos são usados como meio de comunicação.

Por exemplo, para indicar perigo, usamos um sinal vermelho, e para significar perigoso, usamos uma caveira colocada entre dois pedaços de osso de forma transversal.

Expressão Rápida de Mensagem

Sinais não-verbais, como sinais e símbolos, também podem comunicar algumas mensagens mais rapidamente do que a mídia escrita ou oral.

Por exemplo; quando se pretende comunicar aos condutores de um veículo em movimento que a estrada à frente é estreita ou que há uma curva na estrada, geralmente usamos sinais ou símbolos em vez de qualquer mensagem escrita ou oral.

Apresentando informações com precisão

Às vezes, informações quantitativas sobre qualquer assunto podem exigir uma longa mensagem escrita. Mas esta informação quantitativa pode ser apresentada de forma fácil e precisa através de tabelas, gráficos, tabelas, etc.

Métodos de comunicação não verbal

  • Contato visual,
  • Expressões faciais,
  • Gestos,
  • Postura e orientação corporal,
  • Linguagem corporal,
  • Espaço e Distância,
  • Proximidade,
  • Paralinguístico,
  • Humor,
  • Tocar,
  • Silêncio,
  • Aparência pessoal,
  • Símbolo,
  • Comunicação visual.

Contato visual

Contato visual, um importante canal de comunicação interpessoal, ajuda a regular o fluxo de comunicação. E sinaliza interesse nos outros.

Além disso,

O contato visual com o público aumenta a credibilidade do palestrante. Professores que fazem contato visual abrem o fluxo de comunicação e transmitem interesse, preocupação, cordialidade e credibilidade.

Expressões faciais

Comunicação Não-Verbal: Funções, Tipos, Importância

O rosto é um comunicador importante. Costuma-se dizer que o rosto é o índice da mente.

Expressa o tipo de emoções ou sentimentos como alegria, amor, interesse, tristeza, raiva, aborrecimento, confusão, entusiasmo, medo, ódio, surpresa e incerteza.

As expressões faciais são indicadas através da boca (aberta, larga ou fechada), pálpebras (levantadas ou abaixadas), nariz (enrugado ou relaxado), bochechas (recolhidas ou para trás) e testa (abaixada ou levantada).

Na área facial, os olhos são especialmente eficazes para indicar atenção e interesse. No entanto, as interpretações das expressões faciais diferem de cultura para cultura.

Sorrir é uma dica poderosa que transmite:

  • Felicidade.
  • Simpatia.
  • Cordialidade.
  • Gosto.
  • Afiliação.

Assim, se você sorrir com frequência, será percebido como mais simpático, amigável, caloroso e acessível.

Sorrir costuma ser contagioso e os alunos reagirão favoravelmente e aprenderão mais.

Gestos

Se você deixar de gesticular enquanto fala, poderá ser visto como chato, rígido e sem animação.

Um estilo de ensino animado e animado capta a atenção dos alunos, torna o material mais interessante, facilita o aprendizado e oferece um pouco de entretenimento.

Acenos de cabeça, uma forma de gestos, comunicam reforço positivo aos alunos e indicam que você está ouvindo.

Os gestos são movimentos dos braços, pernas, mãos e cabeça.7 Alguns autores opinam que o gesto é o movimento corporal deliberado porque expressa um significado específico e intencional.

Por exemplo, um aceno de mão tem um significado específico – “olá” ou “adeus”; um dedo indicador e um polegar se tocando para formar um círculo têm o significado - “ok”.

Assim como as expressões faciais, as interpretações de alguns gestos também diferem entre as culturas.

Por exemplo, na Europa, levantar o polegar é usado para transmitir que alguém fez algo excelente, enquanto no Sul da Ásia o mesmo gesto significa algo idiota.

Postura e orientação corporal

Você comunica inúmeras mensagens pela maneira como anda, fala, fica de pé e senta.

Ficar ereto, mas não rígido, e ligeiramente inclinado para a frente comunica aos alunos que você é acessível, receptivo e amigável.

Além disso,

A proximidade interpessoal ocorre quando você e seus alunos se enfrentam.

Deve-se evitar falar de costas ou olhando para o chão ou teto; comunica desinteresse à sua classe.

Linguagem corporal

A linguagem corporal é outra forma amplamente reconhecida de comunicação não verbal. Os movimentos corporais podem transmitir significados e mensagens. A linguagem corporal pode assumir duas formas de movimentos inconscientes e movimentos conscientemente controlados.

Por exemplo;

Quando uma pessoa está entediada, ela pode olhar ao redor da sala em vez de olhar para quem fala ou pode mudar de posição com frequência.

Quando uma pessoa está nervosa, ela pode roer as unhas ou amassar o cabelo. Geralmente são feitos inconscientemente. Por outro lado, inclinar-se em direção ao falante para expressar interesse é o caso de movimentos corporais conscientes.

Espaço e Distância

Espaço e distância são ferramentas não-verbais significativas no caso da comunicação organizacional.

Uma sala espaçosa e bem decorada indica a posição de uma pessoa na hierarquia da organização e as pessoas externas recebem uma mensagem sobre sua importância e autoridade apenas visitando sua sala.

A distância é outra ferramenta de comunicação que expressa o grau de intimidade e aceitação individual.

Proximidade

As normas culturais ditam uma distância confortável para a interação com os alunos.

Você deve procurar sinais de desconforto causados pela invasão do espaço dos alunos. Alguns deles são:

  • Balanço
  • Balançando as pernas
  • Tocando
  • Aversão ao olhar

Normalmente, em grandes turmas universitárias, a invasão de espaço não é um problema. Geralmente há muita distância.

Para neutralizar isso, mova-se pela sala de aula para aumentar a interação com seus alunos.

Aumentar a proximidade permite que você faça melhor contato visual e aumenta as oportunidades para os alunos falarem.

Paralinguístico

Esta faceta da comunicação não verbal inclui elementos vocais como:

  • Tom
  • Tom
  • Ritmo
  • Timbre
  • Volume
  • Inflexão

Para obter a máxima eficácia no ensino, aprenda a variar esses seis elementos da sua voz.

Uma das principais críticas é aos instrutores que falam em tom monótono. Os ouvintes consideram esses instrutores chatos e enfadonhos.

Os alunos relatam que aprendem menos e perdem o interesse mais rapidamente ao ouvir professores que não aprenderam a modular a voz.

Humor

O humor é frequentemente esquecido como ferramenta de ensino e muitas vezes não é incentivado nas salas de aula da faculdade. O riso libera o estresse e a tensão tanto para o instrutor quanto para o aluno.

Você deve desenvolver a capacidade de rir de si mesmo e incentivar os alunos a fazerem o mesmo. Promove um ambiente amigável que facilita o aprendizado.

O conhecimento adequado do assunto é crucial para o seu sucesso; no entanto, não é o único elemento crucial.

Criar um clima que facilite a aprendizagem e a retenção exige boas habilidades verbais e não-verbais.

Tocar

O toque é uma forma amplamente utilizada de ferramenta de comunicação não verbal.

Ao tocar, pode-se expressar uma ampla gama de emoções. Contudo, os modos de toque aceites variam dependendo do género, idade, estatuto relativo, intimidade e antecedentes culturais das pessoas.

Por exemplo, no contexto da nossa cultura, quando alguém toca você no fundo da sala de exames, você entende que ele quer saber alguma coisa.

Silêncio

O silêncio é uma ferramenta poderosa de comunicação. Pode ter um significado positivo ou negativo.

Numa sala de aula, o silêncio indica que os alunos estão ouvindo com atenção e atenção. Da mesma forma, através do silêncio pode-se comunicar o seu desinteresse ou a sua falta de compreensão.

Por exemplo, o silêncio muitas vezes indica que uma pessoa que recebe instruções não compreende a acção necessária ou, por vezes, o silêncio indica consentimento.

Aparência pessoal

A aparência também é uma importante ferramenta de comunicação não verbal. A aparência inclui vestido, cabelo, joias, maquiagem, fivelas de cinto e assim por diante.

A aparência indica o grau de importância ou interesse que uma pessoa transmite a uma ocasião. Através do uniforme podemos identificar um estudante, um médico, um advogado, um policial, etc.

Numa organização, a vestimenta de alguém é cuidadosamente observada para ver se está de acordo com os padrões de aparência aceitos. Por exemplo, os trabalhadores podem usar roupas diferentes quando estão em greve e quando estão trabalhando.

Símbolo

Um símbolo é algo que representa uma ideia, uma entidade física ou um processo, mas é distinto dele. O propósito de um símbolo é comunicar significado.

Por exemplo, um octógono vermelho pode ser um símbolo de “parar”.

Num mapa, a imagem de uma tenda pode representar um parque de campismo. Os numerais são símbolos de números. Nomes pessoais são símbolos que representam indivíduos. Uma rosa vermelha simboliza amor e compaixão.

Comunicação visual

Quando a comunicação ocorre por meio de qualquer recurso visual, ela é conhecida como comunicação visual.

Assim, a comunicação que ocorre por meio da expressão facial, da aparência pessoal, do gesto, da postura, da imagem impressa, do sinal, do sinal, do símbolo, do mapa, do cartaz, do slide, do gráfico, do diagrama, do gráfico, etc.

Por exemplo, para indicar “perigo”, usamos um sinal vermelho; para significar 'perigoso', usamos uma caveira colocada entre dois pedaços de osso colocados transversalmente; para indicar 'não fumar', usamos uma imagem que mostra um cigarro aceso com uma cruz.

Tipos de comunicação não verbal

a comunicação não-verbal tem muitos laços com base em seu modo de comunicação. Um grande número de artefatos é usado para comunicar-se sem palavras. No entanto, esses são os tipos de comunicação não-verbal.

Linguagem Corporal ou Comunicação Cinésica

A linguagem corporal consiste em movimentos corporais, como gestos, expressões faciais, movimentos oculares e postura. O estudo da postura, movimento, gestos e expressão facial é chamado de Cinésica.

O Kinesics é derivado da palavra grega Kinesis, que significa movimento. Ao avaliar os sentimentos das pessoas sobre um assunto, muitas vezes tiramos conclusões a partir das suas palavras e comportamento não-verbal.

Lesikar e Pettit (2002: 649) disseram, “Cinésica é o estudo dos movimentos físicos do corpo”. Ou seja, é a forma como o corpo se comunica sem palavras, ou seja, por meio de diversos movimentos de suas partes.

Gamble e Gamble (1996:132) definem, “Comunicação não-verbal como todos os tipos de respostas humanas não expressas em palavras”.

A complicação da linguagem corporal é que não podemos simplesmente “ler” a linguagem corporal de outra pessoa; em vez disso, observamos, analisamos e interpretamos antes de decidirmos o significado provável.

Interpretar o significado da comunicação não-verbal é, em parte, uma questão de avaliar o comportamento único da outra pessoa e de considerar o contexto.

Avaliar o comportamento único de outra pessoa significa que você precisa saber como essa pessoa costuma agir. Uma pessoa taciturna pode ser imperturbável mesmo em uma situação de emergência.

Uma pessoa que nunca sorri pode ser infeliz e alguém que age feliz pode não ser realmente feliz. Portanto, você precisa saber como a pessoa expressa emoções antes de poder interpretar o que significa sua comunicação não-verbal.

Considerar o contexto significa que a situação altera a forma como você interpreta a comunicação não-verbal. Muitas pessoas ficam falantes, sinceras e às vezes estúpidas quando tomam drogas que alteram a mente.

Assim, sem considerar o contexto da linguagem corporal, não podemos compreender com precisão o significado dessa linguagem. As pessoas tendem a ser formalmente educadas em cerimônias, emocionalmente desprotegidas em casa e excessivamente prudentes quando se candidatam a um emprego.

Categorias de linguagem corporal ou comunicação cinésica

Existem várias categorias de movimento corporal e expressão facial. As três bases de situações de comunicação prevalecentes entre o participante são Vinculação, Status e Capacidade de Resposta.

Paul Ekman e Wallace Friesen (1969:711-24) categorizaram a comunicação não-verbal com base em suas funções, origens e significados em cinco categorias: emblemas, ilustradores, exibições de afeto, reguladores e adaptadores.

As categorias são discutidas abaixo:

Vinculando

A ligação é expressa através da inclinação para a frente, mantendo a orientação corporal direta, braços e postura corporal abertos, expressões faciais positivas e contato visual.

Status

O status, especialmente o status elevado, é comunicado de forma não verbal por meio de gestos mais significativos, uma postura relaxada e contato visual reduzido. Por exemplo, os chefes do sexo masculino costumam conversar com os subordinados enquanto se recostam nas cadeiras, com as mãos atrás da cabeça e os cotovelos estendidos, um comportamento raramente observado em subordinados.

Capacidade de resposta

A capacidade de resposta na comunicação não-verbal é exibida por gestos espontâneos, mudanças de postura e posição e expressividade facial. Em outras palavras, o rosto e o corpo fornecem feedback positivo à outra pessoa durante a conversa.

Emblemas

Emblemas são movimentos específicos que substituem palavras ou frases. Exemplos de emblemas incluem usar um dedo indicador acenando para sinalizar “venha aqui”, levantar a mão aberta para significar “pare” e formar um círculo com o indicador e o polegar para transmitir “OK”. culturas, por isso é necessário cautela.

Ilustradores

Ilustradores são movimentos não-verbais que acompanham ou reforçam mensagens verbais. Por exemplo, balançar a cabeça ao dizer sim, balançar a cabeça ao dizer não, dar tapinhas na barriga ao expressar fome ou levantar o punho cerrado ao dizer “saia daqui”. Essas dicas não-verbais tendem a ter significados mais universais do que outros tipos de comunicação não-verbal.

Reguladores

Reguladores são ações não-verbais que controlam o fluxo ou ritmo da comunicação. Exemplos de reguladores incluem afastar-se para sinalizar que a conversa deve parar, olhar para o chão ou para longe quando estiver desinteressado, ou bocejar e verificar o relógio quando estiver entediado.

Afetar exibições

As exibições de afeto envolvem movimentos do rosto e do corpo para expressar emoções. Por exemplo, observar o comportamento das pessoas quando seu time favorito vence um jogo, ouvir a porta bater quando uma pessoa irritada sai da sala ou observar homens fazendo gestos ameaçadores quando estão chateados um com o outro, mas optam por não se envolver em uma briga direta.

Adaptadores

Adaptadores são movimentos que podem ser realizados totalmente em privado, mas apenas parcialmente em público. Por exemplo, coçar o nariz em público, mas não coçar onde quer que sinta coceira.

As expressões faciais fornecem informações aos outros sobre o nosso estado emocional, enquanto a orientação corporal indica a intensidade dessas emoções. Quando combinadas, as expressões faciais e a orientação corporal aumentam a precisão da interpretação de mensagens não-verbais.

O público que consegue ver o orador normalmente entende a mensagem melhor do que aqueles que não conseguem.

Portanto, o movimento corporal e as expressões faciais aumentam a capacidade de interpretar corretamente o significado da mensagem da mensagem de maneira correta.

Comunicação Espacial

Esta é a influência do espaço na comunicação. Edward T. Hall (1966) chama isso de comunicação proxêmica – o estudo do uso humano do espaço.

Alguns gestores organizam seus escritórios de forma que tenham uma área informal onde as pessoas possam sentar-se sem experimentar a distância espacial e a formalidade criadas por uma grande mesa.

Robert Sommer (1987) também demonstrou o papel do espaço pessoal na comunicação humana. Envolve dois conceitos essenciais: territorialidade e espaço pessoal.

Conceitos Essenciais de Espaço

Territorialidade: Territorialidade refere-se à nossa necessidade de estabelecer e manter determinados espaços como nossos. Num dormitório partilhado, os itens na área da secretária comum marcam o território.

Na mesa da cafeteria, a colocação do prato, do copo, do guardanapo e dos talheres marca o território. Todos são indicadores não-verbais que sinalizam propriedade.

Espaço pessoal: O espaço pessoal é a bolha pessoal de espaço que se move com você. É a distância que você mantém entre você e os outros, a quantidade de espaço que você reivindica como seu.

Indivíduos maiores geralmente reivindicam mais espaço devido ao seu tamanho, e os homens muitas vezes ocupam mais espaço do que as mulheres.

Hall menciona e define quatro distâncias que as pessoas usam regularmente enquanto se comunicam. Suas categorias têm sido úteis na compreensão do comportamento comunicativo que pode ocorrer quando dois comunicadores estão a uma distância específica um do outro. As categorias de distâncias são as seguintes:

Categorias de distância

Distância íntima

Ele se estende de você até dezoito polegadas e é usado por pessoas que são relacionalmente próximas a você. É usado com mais frequência em privado do que em público. Essa distância íntima é utilizada para demonstrar carinho, dar conforto e oferecer proteção. Judee K. Burgoon (1978:129-42) descobriu na sua investigação que geralmente provoca uma resposta positiva porque tendemos a ficar de pé e a sentar-nos perto das pessoas por quem nos sentimos atraídos.

Distância pessoal

Varia de dezoito polegadas a mais de um metro e meio e é mais frequentemente usado por pessoas para conversas e outras trocas não íntimas.

Distância social

Varia de quatro a doze pés e é usado com mais frequência para negócios no local de trabalho, especialmente em situações formais e menos pessoais. Quanto maior o status de uma pessoa, maior será a distância.

Distância pública

Ele excede 3,6 metros e é mais frequentemente usado em ambientes para falar em público, como salas de aula, igrejas, mesquitas, sinagogas, tribunais e salas de convenções. Os professores muitas vezes ficam a essa distância durante as palestras.

A distância é, então, um meio não-verbal de comunicar tudo, desde o tamanho da sua bolha pessoal até o seu relacionamento com a pessoa com quem você está falando ou ouvindo. Na verdade, sexo, tamanho e semelhança parecem estar entre os determinantes importantes do seu espaço pessoal.

Seu relacionamento com outras pessoas está relacionado ao uso do espaço. Você fica mais perto dos amigos e mais longe dos inimigos. Você fica mais distante de estranhos, figuras de autoridade, pessoas de alto status, indivíduos com deficiência física e pessoas de grupos raciais diferentes do seu. Você também fica mais próximo de pessoas que considera semelhantes ou não ameaçadoras porque a proximidade comunica confiança.

O ambiente físico também pode alterar o uso do espaço. As pessoas tendem a ficar mais próximas em salas grandes e mais distantes em salas pequenas. Além disso, obstáculos físicos e disposição dos móveis podem afetar o uso do espaço pessoal.

A formação cultural das pessoas que se comunicam também deve ser considerada na avaliação do espaço pessoal. Hall reconhece a importância da formação cultural quando observa que o pessoal de serviço americano que serve no exterior enfrenta uma série de dificuldades devido a diferenças culturais no manejo do espaço.

As pessoas ficavam “muito próximas” durante as conversas, e quando os americanos recuavam para uma distância confortável e conversacional, isso significava que os americanos eram frios, indiferentes, retraídos e desinteressados pelo povo do país.

Na Inglaterra, os americanos que estavam habituados à boa vizinhança ficaram magoados quando descobriram que os seus vizinhos não eram mais acessíveis ou amigáveis do que as outras pessoas. No Sul da Ásia, as pessoas mantêm distâncias próximas umas das outras.

O contexto cultural pode resultar em diferenças significativas na utilização do espaço e na interpretação que as pessoas fazem dessa utilização. À medida que o nosso mundo continua a encolher, mais pessoas trabalharão em empresas multinacionais, viajarão regularmente para diferentes países e interagirão com pessoas de diversas origens. A sensibilidade ao uso do espaço em diferentes culturas e respostas rápidas e apropriadas a essas variações são imperativas.

Comunicação tocante

A comunicação tátil é o uso do toque na comunicação.

Como o toque sempre envolve a invasão do espaço pessoal de outra pessoa, não é um tipo de comunicação que possa ser ignorado. Pode ser bem-vindo, como quando um pai segura uma criança que chora, ou indesejável, como no caso de assédio sexual, e a nossa necessidade e apreciação da comunicação táctil começa cedo na vida.

William T. Schutz (1971:16) observa que os sentimentos parentais inconscientes comunicados através do toque ou da falta de toque podem levar a sentimentos de confusão e conflito na criança.

O toque insuficiente pode levar a distúrbios de saúde, como alergias e eczema, problemas de fala e até morte (Montagu: 1971:42). Os pesquisadores descobriram que bebês e crianças pequenas intocados ficam cada vez mais doentes ou morrem.

Para os adultos, o toque é um poderoso meio de comunicação. Normalmente, o toque é percebido como positivo, prazeroso e reforçador. A associação do toque com o calor e o carinho que começou na infância continua na idade adulta.

As pessoas que se sentem confortáveis com o toque têm maior probabilidade de ficarem satisfeitas com suas vidas passadas e atuais. São autoconfiantes, assertivos, socialmente aceitáveis e activos no confronto de problemas (Fromme et al.: 1951; Adler e Neil (1975: 225-26).

O toque faz parte de muitos rituais importantes. No batismo, a prática em muitas igrejas vai desde um toque na cabeça durante a cerimônia até uma imersão total em água.

O médico Bernie Siegel (1990:134) escreve sobre o poder curativo do toque no tratamento de pacientes. Assim, a religião e a medicina são apenas duas profissões nas quais o toque é importante para fins cerimoniais e curativos.

O toque varia com cada subcultura. Pearson e Nelson (1997: 78) citaram muitas descobertas de pesquisas que indicam o papel do toque na comunicação humana, que está ligada à cultura:

  • As mulheres valorizam o toque mais do que os homens.
  • As mulheres são mais tocadas que os homens a partir do sexto mês.
  • As mulheres tocam nas crianças do sexo feminino com mais frequência do que nos meninos.
  • Os homens e seus filhos são os que menos se tocam.
  • As estudantes do sexo feminino são tocadas mais e em mais lugares do que os estudantes do sexo masculino.
  • Os machos tocam os outros mais do que as fêmeas.
  • Os homens têm mais acesso aos corpos das mulheres do que aos corpos dos homens.
  • Os machos podem usar o toque para indicar poder ou domínio.

Não é apenas a subcultura, mas também a cultura que determina a frequência e o tipo de comunicação não-verbal; pessoas de diferentes países lidam com a comunicação não-verbal de forma diferente – mesmo algo tão simples como o toque.

Sidney Jourard (1968) determinou as taxas de toque por hora entre adultos de diversas culturas. Numa cafeteria, os adultos em Porto Rico tocam 180 vezes por hora, enquanto os de Paris tocam cerca de 110 vezes por hora. Na Flórida, EUA, os adultos tocam 2 vezes por hora e na Inglaterra apenas uma vez por hora.

O toque envia uma mensagem tão poderosa que deve ser tratada com responsabilidade. Quando o direito de tocar é abusado, pode resultar em quebra de confiança, ansiedade e hostilidade. Quando o toque é usado para comunicar preocupação, carinho e carinho, ele é bem-vindo, desejado e apreciado.

Comunicação Paralíngua

A comunicação não verbal inclui alguns sons, desde que não sejam palavras. Este estado do som é conhecido como paralinguagem ou características paralinguísticas. Significa os sons que não são de palavras e as características que não são de palavras da linguagem, como tom, volume, taxa e qualidade. Lesikar e Pettit (2002:656) disseram: “A paralinguagem envolve como dizemos algo”.

A paralinguagem consiste em aspectos vocais da comunicação que se relacionam com a forma como algo é dito, e não com o que é dito. O prefixo “para” significa ao lado ou paralelo, então “paralinguístico” significa “ao lado da palavra ou idioma”.

As características paralinguísticas são um exame das pistas vocais que incluem todos os aspectos orais do som, exceto as próprias palavras. A seguir estão alguns desses tipos de dicas vocais:

  • Tom: o agudo ou grave da sua voz.
  • Avaliar: com que rapidez ou lentidão você fala.
  • Inflexão: a variedade ou mudanças no tom.
  • Volume: o volume ou suavidade da sua voz.
  • Qualidade: a ressonância única da sua voz, como rouquidão, nasalidade, rouquidão e choro.
  • Sons e silêncio: sons que não são palavras, como mmh, huh e ahh, e pausas ou ausência de som usadas para efeito na fala.
  • Pronúncia: se você diz ou não uma palavra corretamente.
  • Articulação: se sua boca, língua e dentes se coordenam ou não para tornar uma palavra compreensível para outras pessoas. Um lisp é um exemplo de problema de articulação.
  • Enunciação: combinar ou não pronúncia e articulação para produzir uma palavra com clareza e distinção para que possa ser compreendida. Quem resmunga tem problema de enunciação.

Fatores que afetam as dicas vocais

As dicas vocais são importantes porque estão ligadas em nossas mentes a certas características dos alto-falantes. Isso inclui as características físicas do falante, estado emocional, traços de personalidade, características de gênero e até credibilidade. Eles são discutidos abaixo:

Características físicas do palestrante

As dicas vocais freqüentemente transmitem informações sobre as características físicas do falante, como idade, altura, aparência e tipo de corpo. Por exemplo, associamos uma voz estridente a alguém que é do sexo feminino e não ao masculino, a alguém que é mais jovem em vez de mais velho e a alguém que é menor em vez de maior. Visualizamos alguém que fala alto como sendo mais alto em vez de mais baixo e maior em vez de menor. As pessoas que falam rapidamente podem ser consideradas mais nervosas do que calmas. Pessoas que tendem a falar lenta e deliberadamente podem receber crédito como indivíduos de alto status ou pessoas com alta credibilidade.

Estado emocional

Os estados emocionais estão relacionados a pistas vocais específicas. A alegria e o ódio parecem ser as emoções comunicadas com mais precisão, enquanto a vergonha e o amor estão entre as mais difíceis de comunicar com precisão (McCroskey, Larson, Knapp: 1971:116-18). Alegria e ódio parecem ser transmitidos por menos sinais vocais, o que torna a sua interpretação menos difícil do que os complexos conjuntos de sinais vocais que identificam emoções como vergonha e amor. Ernest Kramer (1963:408-20) observa que sentimentos “ativos”, como alegria e ódio, estão associados a uma voz alta, um tom agudo e um ritmo rápido. Por outro lado, os sentimentos “passivos”, que incluem afeto e tristeza, são comunicados com uma voz suave, um tom baixo e um ritmo relativamente lento.

Características de personalidade

como introversão, orientação social, brilho, timidez, etc., são determinantes dos padrões de voz. Eles também estão relacionados a pistas vocais. Dominância, ajustamento social e sociabilidade têm sido claramente correlacionados com sinais vocais específicos.

Diferenças sexuais

As dicas vocais estão relacionadas às diferenças de sexo. Homens e mulheres demonstram diferentes padrões de entonação. Por exemplo, muitas mulheres tendem a formular frases declarativas com uma inflexão ascendente para sugerir uma pergunta em vez de uma declaração.

Credibilidade

As dicas vocais podem ajudar um orador a estabelecer credibilidade junto ao público e esclarecer a mensagem.

O tom e a inflexão podem ser usados para tornar o discurso esteticamente agradável, para realizar mudanças sutis no significado e para sinalizar ao público se você está fazendo uma pergunta ou fazendo uma declaração, sendo sincero ou sarcástico, ou expressando dúvida ou assertividade.

Comunicação objetiva em linguagem

Objetos ou linguagem objetal referem-se ao estudo do uso humano de roupas e outros artefatos como códigos não-verbais (Pearson e Nelson, 1997:80).

Artefatos são enfeites ou adornos que exibimos e que possuem potencial comunicativo, incluindo joias, penteados, cosméticos, automóveis, bengalas, relógios, sapatos, carteiras, chapéus, óculos e até obturações em nossos dentes.

Nossas roupas e outros adornos comunicam nossa idade, status, função, classe socioeconômica, participação em grupos, personalidade e relacionamento com o sexo oposto.

Os homens raramente usam vestidos; vestidos decotados não são a escolha de mulheres tímidas; pessoas reticentes evitam cores brilhantes.

Funções de comunicação em linguagem de objeto

Roupas e artefatos fornecem proteção física e psicológica e são usados para atração sexual e para indicar autoconceito.

Nossas roupas e artefatos esclarecem o tipo de pessoa que acreditamos ser (Fisher, 1975).

Eles nos permitem expressão pessoal (Procter, 1978).

Eles satisfazem nossa necessidade de autoexpressão criativa (Hom, 1975). Uma pessoa que demonstra interesse em usar roupas como meio de expressão pode estar demonstrando um alto nível de autoatualização (Perry, Schutz e Rucher, 1983).

As roupas são importantes para formar a primeira impressão de uma pessoa.

Eles também expressam as características do indivíduo. A conformidade com os estilos atuais está correlacionada com o desejo do indivíduo de ser aceito e apreciado.

Eles afetam as impressões dos outros sobre o status e os traços de personalidade de um indivíduo.

Comunicação de Contexto Físico

O contexto físico na comunicação não-verbal refere-se à forma como a cor e o layout/design se comunicam (Lesikar e Pettit, 2002:657). É o contexto físico do nosso entorno que afeta nossos esforços de comunicação. Este contexto é o mais geral e abstrato dos tipos não-verbais. Também é conhecida como comunicação ambiental.

Nosso ambiente diz algo sobre como nos sentimos e como reagiremos às pessoas e situações. A cor ou o tamanho de uma sala diz algo para você ou sobre você. A cor e o layout do ambiente são os componentes mais significativos.

As pessoas preferem ambientes atraentes e avaliam as outras pessoas com base em grande parte nas suas reações ao ambiente imediato.

Por exemplo, as pessoas se sentem melhor com o ambiente e consigo mesmas quando estão em uma sala iluminada e ensolarada.

Os empresários melhoram o ambiente físico dos seus escritórios e showrooms baseando a sua lógica neste tipo de informação. A disposição dos objetos em um ambiente envia uma mensagem ao observador ou ouvinte.

Suponha que você entre na sala de um professor e veja uma grande confusão de papéis sobre a mesa e pilhas de livros e pastas espalhados pela sala. Você provavelmente está se perguntando se aquele instrutor é tão desorganizado em seus pensamentos sobre o assunto quanto em manter a ordem em seu escritório.

As cores estão associadas a humores e comportamentos. Assim, temos uma linguagem de cores. As cores preto e cinza transmitem sentimentos negativos; as cores azul e amarelo demonstram sentimentos positivos; a cor vermelha mostra perigo; a cor verde transmite júbilo ou juventude; e a cor branca mostra paz.

As cores de nossas roupas, interiores de escritórios e coisas do gênero impressionam. Além disso, recebemos significados das cores que percebemos. Portanto, devemos prestar atenção à cor, pois isso nos ajudará a alcançar o efeito desejado. Além disso, devemos considerar a iluminação, o som e outros recursos contextuais com igual diligência.

O layout e o design do ambiente comunicam nossos gostos e preferências, bem como nossa aristocracia. A disposição do espaço de um escritório, a presença ou ausência de carpete, a disposição da mesa e das cadeiras e o tamanho do escritório dizem algo sobre nós. Portanto, devemos usar os significados que o layout ou design transmite de forma diligente para que possamos usar essas mensagens não-verbais de forma eficaz.

Linguagem do Tempo ou Comunicação Crônica

A forma como cada um de nós utiliza e estrutura o tempo nas nossas relações com os outros é chamada cronémica (Gibson e Hanna, 1992:107). O tempo é um elemento poderoso da comunicação não-verbal.

A linguagem do tempo envolve o significado que damos ao tempo, ou seja, como comunicamos aos outros o que o tempo significa para nós (Lesikar e Pettit, 2002:655). Para dar sentido ao tempo, devemos percebê-lo, filtrá-lo e simbolizá-lo.

Os gerentes dão muita ênfase ao gerenciamento do tempo. Indica o comprometimento e a sinceridade das pessoas com seus deveres. A cultura nos ensina o significado do tempo. Portanto, o comportamento relacionado ao tempo indica as diferenças culturais entre as pessoas. Compare a sua orientação temporal com a dos membros de outra cultura.

Aceitamos e esperamos que a pontualidade seja um elemento essencial em algumas das nossas atividades diárias. A pontualidade é um fator importante na comunicação temporal. Também pode expressar uma relação de poder entre duas pessoas.

Por exemplo, se houver uma reunião de funcionários no trabalho, provavelmente será mais aceitável que seu chefe chegue atrasado do que você chegue atrasado. Chegar atrasado também pode demonstrar poder social.

O poder da cronêmica é grande. Esperar, correr e hesitar ocorrem como resultado de uma orientação temporal, e nossa resposta ao tempo transmite uma mensagem forte sobre nós e outras pessoas. Sugere como podemos nos sentir em relação ao indivíduo ou ao

O elemento tempo é fortemente orientado para o receptor. A outra pessoa é afetada negativa ou positivamente por nossas ações.

Maneiras de melhorar a eficácia da comunicação não verbal

Navigate the intricate landscape of business communication with insights into 16 prevalent problems and practical solutions to enhance organizational synergy!

Muitos de nossos julgamentos e decisões são baseados em pistas não-verbais. Portanto, devemos desenvolver a nossa capacidade de observar e usar adequadamente os sinais não-verbais.

As diretrizes a seguir nos ajudarão a tomar decisões e julgamentos válidos com base na comunicação não-verbal:

Examine o Meio Ambiente

Pergunte a si mesmo se algum estímulo ambiental pode afetar sua interação não-verbal. Determine se outras pessoas presentes poderiam influenciar os dois comunicadores. Tente determinar se as cores e a decoração terão impacto na natureza e no tom da comunicação.

Analise a quantidade de espaço disponível para os interagentes. Determine se os fatores arquitetônicos podem alterar o resultado. Tome as medidas adequadas em conformidade.

Observe os comunicadores

Pergunte a si mesmo se o sexo, a idade ou o status dos comunicadores exercerão influência no relacionamento deles. Avalie até que ponto, se houver, a atratividade, as roupas ou a aparência física devem afetar a interação.

Determine se, em sua opinião, a vestimenta dos comunicadores é apropriada ao ambiente. Decida se os comunicadores parecem gostar uns dos outros e ter objetivos semelhantes.

Observe a linguagem corporal

Observe as expressões corporais. Analise sinais corporais significativos. Tente decidir se os movimentos das mãos ou dos pés sugerem honestidade ou engano.

Decida se algum dos interagentes se move muito ou pouco. Pergunte a si mesmo se ambos estão igualmente envolvidos na troca. Avalie até que ponto os interagentes espelham a postura uns dos outros.

Observe o comportamento visual dos participantes. Determine se um desvia mais o olhar do que o outro. Tudo isso lhe dará alguma mensagem e agirá de acordo.

Ouça dicas vocais

Avalie se os comunicadores estão usando volumes vocais e ritmos de fala adequados, dada a sua situação.

Determine se e como a forma como algo que é dito verbalmente apoia ou contradiz o que está sendo dito não-verbalmente. Analise como e quando o silêncio é usado. Seja receptivo a sinais de nervosismo e mudanças de tom.

Observe o toque

Observe se os participantes se tocam. Determine, se puder, por que eles se tocaram. Como tocar ou ser tocado afetou os interagentes? O contato foi apropriado ou inapropriado para a situação e por quê? Faça seu julgamento com respostas prováveis e entre em ação.

Conclusão

Para melhorar suas habilidades não-verbais, grave sua fala em vídeo. Em seguida, peça a um colega de comunicação que sugira refinamentos.

A comunicação não verbal pode assumir muitas formas dependendo da situação, da habilidade dos comunicadores, etc.

De acordo com uma estimativa, existem mais de 0,70 milhões de formas de comunicação não-verbal. As formas mais comuns de comunicação não verbal são as seguintes.