Causa imediata em seguros: chave para cobertura e sinistros

Princípio da causa próxima do seguro

A causa próxima diz respeito à forma como a perda ou dano real aconteceu ao segurado e se resultou de um perigo segurado. Procura a razão da perda; é um perigo segurado ou não? A doutrina da causa próxima é uma das seis princípios de seguro.

Princípio da causa próxima do seguro

O princípio da causa próxima gira virtualmente em torno da administração de sinistros e, mais precisamente, do diagnóstico da jogabilidade ou não de um sinistro sobre a questão dos perigos cobertos por uma apólice.

Uma apólice pode cobrir certos perigos mencionados especificamente nela (conhecidos como riscos segurados), enquanto alguns perigos podem ser especificamente excluídos (conhecidos como riscos excluídos), e alguns ainda podem não ser incluídos nem excluídos (conhecidos como riscos não segurados).

Nem sempre é tão claro que uma perda seria causada por um segurado ou não segurado singular ou por um perigo isento, de modo que um sinistro seria exigível ou não exigível.

Situações difíceis ocorrem onde vários perigos são envolvidos simultaneamente, alguns segurados, outros não segurados e alguns ainda aceitos.

Mais ainda, a situação fica ainda mais complicada quando um perigo isento segue um perigo segurado, ou um perigo isento é seguido por um perigo segurado, sendo simultaneamente confundido com perigos não segurados.

O princípio da causa próxima foi estabelecido para resolver uma situação tão complicada e para permitir que um gestor de sinistros decida se um sinistro é exigível ou não e, se for exigível, em que medida.

Qual é essa causa imediata, então? Foi bem definido no caso principal de Pawsey V. Scottish Union and National (1907) como segue;

Causa imediata significa a causa ativa e eficiente que põe em movimento uma série de eventos que produz um resultado sem a intervenção de qualquer força iniciada e trabalhando ativamente a partir de uma fonte nova e independente.

É a causa imediata e não a causa remota. A máxima é: “Causa Proxima não há espectador remoto”. Imediata ou próxima significa ineficiência próxima e não necessariamente no tempo. A consideração é o que trouxe o resultado.

Um navio foi severamente torpedeado e estava em processo de afundamento. Quase imediatamente, houve uma tempestade ciclônica e o navio afundou. Foi considerado que a causa imediata do naufrágio do navio foi um torpedo (Leyland Shipping Co. V. Norwich Union Seguro contra fogo Sociedade, 1918).

Embora o ciclone estivesse mais perto de afundar a tempo, um torpedo foi a causa ativa e eficiente porque um torpedo atingiu o navio com tanta força que ele teria afundado.

Talvez o ciclone tenha acelerado a velocidade de afundamento e isso possa ser considerado uma causa remota.

Para dar outro exemplo, um homem cai de uma escada de baixa altura e coça um pouco a perna. Ele é levado para um hospital e, no hospital, contrai cólera do paciente do leito ao lado e morre.

A causa imediata de sua morte é a cólera e não ter caído da escada, ou mesmo arranhões na perna. Embora se possa argumentar erroneamente que se ele não tivesse arranhões na perna, ele não teria ido ao hospital e contraído cólera como tal.

Neste caso, os arranhões podem ser uma causa remota. Tomemos outro exemplo. Um homem coça a perna ao cair de uma escada. Ele está sendo levado ao hospital de ambulância.

A caminho do hospital, a ambulância colidiu frontalmente com um camião e todas as pessoas a bordo da ambulância morreram, incluindo o nosso homem.

A causa imediata da morte do nosso homem é a colisão e certamente nenhum arranhão. A colisão sendo a causa da morte é muito eficiente aqui, enquanto o arranhão é ineficiente e remoto.

Certas citações podem ser benéficas para os alunos nesta fase. Eles deveriam tentar compreender as implicações de tais citações, o que os ajudaria a remover alguma confusão em suas mentes sobre a causa imediata.

  1. Lord Bacon, em suas Máximas da Lei, disse:
    “era infinito para a lei considerar a causa das causas e suas impulsões umas das outras; portanto, contenta-se com a causa imediata e julga os atos por ela, sem olhar para qualquer outro grau.”
  2. Na Leyland Shipping Co. V. Norwich Union Fire Insurance Society (1918), a máxima estabelecida foi:
    “Tratar a causa próxima como se fosse a causa próxima no tempo está fora de questão. A causa verdadeiramente próxima é aquela que é a ineficiência próxima. Essa eficiência pode ter sido preservada, embora outras causas possam entretanto ter surgido, que ainda não a destruíram ou realmente a prejudicaram, e pode culminar num resultado do qual continua a ser a verdadeira causa eficiente à qual o evento pode ser atribuído”.
  3. Em YORKSHIRE DALE SS Co. V. MINISTER OF WAR TRANSPORT (1942), a declaração feita foi,
    “A escolha da causa real ou eficiente dentre todo o complexo dos fatos deve ser feita aplicando padrões de bom senso. A causalidade deve ser entendida como o homem comum e não como o cientista ou o metafísico a entenderiam”.

Exemplos de causas próximas

Causa imediata em seguros: chave para cobertura e sinistros

É somente considerando algumas proposições e exemplos que a doutrina da causa próxima pode ser melhor compreendida.

Um homem vai ao cinema tarde da noite e, ao voltar do show para casa, é atacado por um grupo de vândalos, esfaqueado e morto.

A causa imediata da sua morte foi o esfaqueamento e certamente a não ida ao cinema, embora se possa argumentar erradamente que se não tivesse ido ao cinema não teria conhecido os vândalos e sido morto desta forma.

Aqui, ir ao cinema pode ser simplesmente uma causa remota, sem causar sua morte de forma próxima.

Para dar outro exemplo, um homem que andava a cavalo em um lugar montanhoso e solitário cai do cavalo, se machuca e permanece inconsciente a noite toda sob exposição ao frio intenso. Na manhã seguinte ele é descoberto por algumas pessoas.

Nesse ínterim, devido à forte exposição, ele contrai pneumonia e morre.

Aqui, a causa imediata de sua morte é um acidente ou uma queda do cavalo, a razão é que os ferimentos que levam à inconsciência, a exposição ao frio intenso e depois a pneumonia são eventos totalmente naturais que se desenvolvem gradualmente, um após o outro, sem realmente serem intervencionados por um novo ou fonte independente (o exemplo é baseado em um julgamento proferido em ETHERINGTON V. LANCASHIRE AND YORKSHIRE ACCIDENT INSURANCE Co., 1909)

Para descobrir a causa imediata, teremos que observar atentamente a cadeia de eventos, que conduz, em última análise, a um resultado, e de tais eventos, seja numa sequência interrompida ou ininterrupta, interrompida ou ininterrupta, a causa próxima do resultado deve ser estabelecido.

Enquanto a causa primeira mantiver a sua identidade e eficiência, até que possamos dizer que é a causa próxima.

Se, no entanto, a cadeia de causalidade for quebrada de modo que a primeira causa perca a sua identidade, e uma nova causa se desenvolva, produzindo o resultado de forma ativa e eficiente. Então, podemos marcar o resultado como tendo sido causado aproximadamente pela nova causa interveniente.

Para dar um exemplo, vamos pegar 10 tijolos dispostos em ordem vertical, um após o outro, mantendo um espaço de, digamos, 6 polegadas entre eles. Alguém dá um chute no primeiro tijolo e aos poucos o último tijolo da fila também cai.

Aqui, a causa imediata da queda do último tijolo é certamente o chute, porque a força do chute foi tal que poderia efetivamente fazer o último tijolo cair sem a intervenção de qualquer nova força iniciada.

Suponhamos, entretanto, que como resultado do chute, apenas 6 tijolos caiam, mas de repente um homem joga uma pedra no 7º tijolo e cai gradualmente o 7º, 8º, 9º e 10º tijolos.

Neste caso, a causa imediata da queda do último tijolo é o lançamento da pedra e não o chute, pois o chute não foi eficiente o suficiente para fazer com que o último tijolo caísse.

Por outro lado, desenvolveu-se uma força nova e interveniente (o lançamento da pedra), que foi ativa, eficiente e potente o suficiente para causar o resultado, ou seja, a queda do último tijolo. Tomemos outro exemplo.

Uma apólice cobre incêndios acidentais, mas exclui especificamente incêndios causados por terremotos. Por exemplo, há um terremoto em algum lugar próximo ao edifício segurado. Devido ao vento predominante, o incêndio alastra-se gradualmente para os edifícios vizinhos, acabando por incendiar o edifício segurado.

A reclamação não é pagável porque a causa imediata da perda é um incêndio sísmico e não um incêndio comum, embora o terremoto não tenha nada a ver com o edifício segurado.

Isto porque ao longo da propagação e viagem, com a ajuda do vento natural, o fogo mantém a sua identidade de incêndio sísmico. A situação teria sido diferente se a propagação do fogo tivesse sido interrompida por uma causa nova e independente.

Suponhamos, no mesmo exemplo, que a partir do meio do caminho do fogo, alguém acenda um castiçal, carregue esse fogo e atire na propriedade de alguém.

Nesse caso, o incêndio resultante será um incêndio acidental ou malicioso e certamente não um incêndio sísmico, uma vez que a cadeia de acontecimentos foi quebrada por uma força nova e independente, que é activa, eficiente e potente o suficiente para produzir o resultado. (Este exemplo é baseado em um artigo do prêmio Morgan Owen, C. 1.1, jornal nº 42, 1939)

De todos os exemplos explicados anteriormente, os leitores apreciariam que é de fato o Bom Senso que é mais necessário para descobrir a causa imediata de um resultado. Não devemos tentar descobrir a causa das causas, confundindo-nos e complicando a questão.

Um juiz instruído, portanto, comentou corretamente com confiança: “Se você quiser descobrir a causa imediata, não pergunte a um cientista ou a um advogado; pergunte a um homem da rua. Provavelmente a resposta dele será a correta”.

Este comentário certamente transmite o sentimento do juiz instruído sobre como ele sente a importância do bom senso na descoberta da causa imediata.

Regra de causa próxima

No que diz respeito à exigibilidade ou não de um sinistro, tendo em vista os perigos segurados, não segurados e isentos, certas regras de causa próxima devem ser observadas cuidadosamente.

Estes são;

Causa única

Quando uma causa única dá origem a uma reclamação, a questão é simples. Se a causa for segurada, o sinistro é exigível. Se a causa não for segurada ou for excetuada, a reclamação não será exigível.

Causas simultâneas

Torna-se uma proposta difícil quando uma perda é causada pela operação de muitos perigos, alguns segurados, alguns não segurados e alguns excluídos. Se nenhum perigo isento estiver envolvido, então, desde que haja pelo menos um perigo segurado envolvido, o sinistro torna-se exigível desconsiderando outros.

No entanto, suponha que o perigo excluído esteja envolvido com o perigo segurado. Nesse caso, se os efeitos do perigo excluído puderem ser separados dos efeitos do perigo segurado, existe uma responsabilidade pela perda causada pelo perigo segurado. Mas, por outro lado, se não puder ser assim separado, não há qualquer responsabilidade.

Sequência Ininterrupta

Se um perigo segurado seguir o risco excluído, não há reclamação. Se, por outro lado, a um perigo segurado for seguido de um perigo isento, há reclamação do prejuízo causado pelo perigo segurado.

Quando vários eventos ocorrem em uma sequência ininterrupta além da prevista, não há nenhum perigo excluído envolvido, e toda a indenização será paga somente se um perigo segurado estiver envolvido.

Sequência Quebrada

Se um perigo segurado seguir o risco excluído como uma causa nova e independente, então há uma responsabilidade pela perda causada pelo perigo segurado. Se, por outro lado, a um perigo segurado for seguido um perigo isento como causa nova e independente, existe também uma responsabilidade pelos prejuízos causados pelo perigo segurado.

RENÚNCIA À DOUTRINA

Às vezes, a aplicação da regra de causa próxima pode ser dispensada pelas seguradoras por meio de condições da apólice. O melhor exemplo aqui é provavelmente a política padrão contra incêndios. A apólice não cobre perdas devido a “fermentação espontânea”, mas qualquer dano resultante de incêndio é coberto.

Isso ocorre porque as seguradoras usaram a palavra “próprio” antes de “fermentação espontânea”, o que significa que apenas os bens submetidos à fermentação espontânea estão excluídos, mas quaisquer danos resultantes do incêndio estão cobertos.

Se as palavras “próprio” não estivessem presentes, os danos resultantes do incêndio não teriam sido cobertos pela regra da causa próxima.

Ao usar essas duas palavras, as seguradoras renunciaram intencionalmente à aplicação da regra da causa próxima.

ALGUNS JULGAMENTOS JURÍDICOS IMPORTANTES ROLAM A APLICAÇÃO PRÁTICA DA DOUTRINA

  • GASKARTH V. UNIÃO DE LEI (1876)
  • ROGERS V. WHITTAKER (1917)
  • COXE V. RESPONSABILIDADE DO EMPREGADOR ASSU. (1916)

Causa Próxima em Seguro Marítimo

Causa Próxima em Seguro Marítimo

De acordo com a Seção 55 (i) da Lei de Seguro Marítimo, “sujeito às disposições da Lei e a menos que a apólice disponha de outra forma, a seguradora é responsável por qualquer perda causada aproximadamente por um perigo segurado, mas sujeito ao acima mencionado, ela não é responsável por qualquer perda que não seja causada diretamente por um perigo segurado.”

A Seção 55 (2) enumera as perdas que não são pagáveis, são

(i) má conduta do segurado,

(ii) atraso, embora o atraso seja causado por um perigo segurado,

(iii) desgaste normal, vazamento e quebra comuns, vícios inerentes ou natureza do objeto segurado, ou qualquer perda causada diretamente por taxas ou parasitas ou qualquer dano a máquinas não causado diretamente por perigos marítimos.

  1. A seguradora não se responsabiliza por qualquer perda atribuível à conduta dolosa do segurado. Ainda assim, a menos que a apólice disponha de outra forma, ele é responsável por qualquer perda causada diretamente por um perigo segurado.
  2. A seguradora não será responsável por qualquer perda causada por atraso, salvo disposição em contrário.
  3. A seguradora não é responsável pelo desgaste normal, vazamento e quebra, vício inerente ou natureza do objeto segurado, ou por qualquer perda causada diretamente por ratos ou vermes, ou por qualquer dano a máquinas não causado diretamente por perigos marítimos.

Dover diz: “A causa próxima de uma perda é a causa da perda, próxima da perda, não necessariamente no tempo, mas na ineficiência. Assim, embora causas remotas possam ser desconsideradas na determinação da causa de uma perda, a doutrina deve ser interpretada com bom senso.”

Manter e não derrotar a intenção das partes no contrato. Assim, a causa próxima é a causa real da perda.

Deve haver uma causa direta e não interveniente. A seguradora será responsável por qualquer sinistro causado diretamente pelo perigo segurado.

Para que o seguro marítimo seja observado, deve-se compreender como o princípio da causa imediata é aplicado no seguro marítimo.

Causa próxima em seguro de vida

Causa próxima no seguro de vida

A causa eficiente ou eficaz que causa a perda é chamada de causa próxima e é a causa real da perda.

Se a causa da perda (perigo) for segurada, a seguradora pagará. Caso contrário, a seguradora não compensará.

No seguro de vida, a doutrina da Causa Próxima não se aplica porque a seguradora é obrigada a pagar o valor do seguro, qualquer que seja o motivo do falecimento. Por exemplo, pode ser natural ou não natural.

Portanto, este princípio não tem muita importância prática no que diz respeito ao seguro de vida, mas nos casos seguintes, as causas próximas são observadas no seguro de vida.

Risco de guerra

A apólice é emitida sobre a exclusão de riscos de guerra e de aviação. A causa imediata da morte é importante porque a seguradora renuncia à sua responsabilidade caso a morte tenha ocorrido, neste caso, enquanto o segurado estava no campo ou envolvido em operações de guerra e aviação.

Somente o prêmio pago ou valor de rendição, o que for maior, é pagável e o valor total da apólice não é pagável.

Seguro de Vida e Suicídio

Caso o suicídio ocorresse dentro de um ano da apólice, ou houvesse intenção de cometer suicídio e, o pagamento da apólice ficaria restrito apenas ao interesse do terceiro na apólice, desde que o interesse fosse manifestado pelo menos um mês antes do suicídio.

Benefício Acidente

Um problema surge quando um segurado sob uma apólice de acidente morre ou sofre uma lesão de causa imediata e remota.

Na apólice de benefícios acidentais, é pago o dobro do valor da apólice. Portanto, a causa da morte nesta política é de suma importância.