Comunicação boato: definição, tipos, padrões, razões

comunicação de boatos

Embora o boato forneça inúmeras utilidades à organização, ainda assim ele não está isento de defeitos. Portanto, os gestores devem tentar usar o boato de uma forma que a organização possa tirar o máximo proveito dele.

O que é comunicação de boatos?

Definição de boato: 6 motivos para comunicação boato

Grapevine é uma forma de comunicação informal, atua tanto em canais informais internos quanto externos que podem contribuir e beneficiar a organização.

Portanto, é encontrado em todas as organizações. Não segue nenhuma regra prescrita ou predeterminada e espalha qualquer informação rapidamente.

Através dos boatos, as informações fluem em diferentes direções, ligando quase todos os membros de uma organização.

É regido por relações sociais e pessoais, e não por regras e formalidades oficialmente reconhecidas.

A Grapevine opera em canais informais internos e externos. Transmite opiniões, suspeitas e rumores que geralmente não passam pelos canais formais.

Por natureza, o boato é um canal de comunicação horizontal.

Porém, na verdade, não segue nenhum padrão definido. Ele opera efetivamente na horizontal, na vertical e até na diagonal.

Grapevine é um canal de comunicação informal de pessoa para pessoa, através do qual a informação flui horizontalmente, verticalmente ou diagonalmente sem seguir qualquer regra ou regulamento definido entre as pessoas dentro ou fora da organização.

Definição de comunicação boatos ou comunicação interna

A comunicação informal é uma forma humana natural de comunicação que existe em todas as situações humanas. Tem uma tremenda capacidade de transmitir qualquer informação, seja oral, escrita ou observacional. O termo “Grapevine” originou-se durante a Guerra Civil na América do Norte (1860-1865).

Naquela época, as linhas telegráficas da inteligência eram estendidas frouxamente de árvore em árvore, como uma videira, e a mensagem era muitas vezes distorcida; portanto, dizia-se que qualquer boato vinha de boatos.

Boatos são as interações geradas espontaneamente entre pessoas para troca de informações sem seguir os canais formais de comunicação de uma organização.

6 fatores que afetam redes de comunicação informais/de boatos

O boato é uma parte inevitável da organização formal. Existem certos fatores que afetam a formação de uma rede de comunicação informal em uma organização. A discussão a seguir esclarece os fatores e sua influência:

Inadequação da Rede Formal

As redes de comunicação informal surgem devido à inadequação da rede de comunicação formal em abordar as queixas, insatisfações, descontentamentos ou quaisquer outros pontos de desconforto das pessoas. Os desejos não realizados encontram expressão através de redes informais de comunicação.

Situações de crise

A gestão utiliza redes informais de comunicação para resolver situações de crise com a participação ativa das pessoas. Isto permite que a gestão recolha informações de fontes informais para resolver eficazmente situações problemáticas.

Canais Formais Ativos

As redes de comunicação informal formam-se quando os canais formais estão activos e, inversamente, quando os canais formais estão inactivos, os boatos também estão inactivos (Habbve, 1952). Assim, a activação de canais de comunicação formais é um pré-requisito para o surgimento de redes de comunicação informais.

Tempo

As redes de comunicação informal normalmente surgem após um período de tempo considerável desde a formação de uma organização formal.

É necessário algum tempo para o desenvolvimento de relacionamentos interpessoais, sistemas de codificação e filtragem, jargões, contatos com informantes e outras características entre as pessoas. Uma vez desenvolvidos estes elementos, formam-se naturalmente redes de comunicação informal.

Necessidade de canais mais ricos

Os canais informais podem compensar as ineficiências dos canais formais. Em certas circunstâncias, os gestores optam pela organização informal para apoiar os seus canais formais na abordagem de desafios específicos que a rede formal pode não resolver com sucesso.

A riqueza dos canais de comunicação inclui não só a sua capacidade técnica, mas também a sua capacidade de transmitir significado. As redes de comunicação informal proporcionam um canal mais rico para enfrentar e superar esses desafios.

Folga Organizacional

No sistema de comunicação formal, existe uma forma de folga organizacional que pode ajudar a satisfazer necessidades inesperadas ou compensar circunstâncias imprevistas.

4 Padrões ou Tipos de Rede de Comunicação Informal/Vinha

A comunicação boato é geralmente de natureza horizontal. Mas pode ser horizontal, vertical e diagonal. O professor Keith Davis classificou a videira em 4 tipos.

  1. Corrente de fio único.
  2. Cadeia de fofocas.
  3. Cadeia de Probabilidade.
  4. Cadeia de clusters.

Rede de fio único

A Single Strand Network representa uma rede de comunicação informal na qual uma pessoa transmite uma mensagem a outra pessoa, que então a comunica a outra pessoa. Essa transmissão de informações se espalha gradualmente, mas pode encontrar interrupções ao longo do caminho.

Rede de fofocas

Na Gossip Network, uma pessoa serve como fonte de informação e compartilha a mensagem com todos. Aqui, um único indivíduo dissemina a mensagem a todos os outros que a conhecem. Essa rede tende a ter menor probabilidade de distorção de informações, pois se origina de uma fonte.

Rede de Probabilidade

A Rede de Probabilidade é uma rede de comunicação informal na qual cada indivíduo de ligação compartilha aleatoriamente a mesma mensagem com outros.

Nessa rede, a fonte de informação de cada pessoa que recebe a mensagem é diferente. Consequentemente, o potencial de distorção da informação é relativamente elevado devido a múltiplas fontes.

Rede de clusters

A Cluster Network é uma rede de comunicação informal na qual uma pessoa inicialmente compartilha uma informação com três indivíduos.

Destes três, um passa para mais dois indivíduos, mas apenas um desses dois indivíduos o compartilha com outra pessoa. Notavelmente, apenas indivíduos específicos dentro do padrão de agrupamento tendem a repetir o que ouvem.

5 maneiras de tornar a videira beneficiária da organização

Comunicação boato: definição, tipos, padrões, razões

Grapevine representa o sistema de comunicação não oficial da organização informal. A comunicação informal transporta informações ao longo das linhas não oficiais de atividade e poder da organização.

Fornecendo notícias reais aos iniciadores da videira

Os gestores devem identificar as pessoas que participam activamente nos canais de boatos e fornecer-lhes notícias reais para que possam transmitir factos reais aos canais de boatos.

Isto acabará por resistir à transmissão de rumores, mensagens falsas e distorcidas.

Considerando a videira como uma ferramenta para sentir o pulso

Como os boatos são uma importante fonte de feedback, os gestores devem usá-los como uma ferramenta para sentir o pulso dos funcionários.

Contradizendo o falso boato

Se ocorrer algum boato falso na organização, a administração deve imediatamente contradizer e protestar contra o boato através dos canais formais.

Como resultado, a alimentação de rumores falsos diminuirá.

Permitir que os trabalhadores participem do processo de tomada de decisão

Se os trabalhadores estiverem autorizado a participar do processo de tomada de decisão, eles estarão bem informados dos fatos.

Em tal situação, não haverá nada para suspeitar e criar um boato falso.

Desenvolvendo um bom clima organizacional

Um bom clima organizacional impulsiona os funcionários a desenvolverem um sentimento de pertencimento, a manterem o status, a cadeia de comando e o respeito próprio, e para aumentar a satisfação.

Tudo isso facilitará a ocorrência da videira da forma mais desejada e eficaz.

Por fim, podemos dizer que embora a organização não possa contratar e despedir o boato, ela pode garantir um ambiente onde as pessoas possam praticar o boato da forma mais desejada e eficaz.

6 razões pelas quais a comunicação boatos existe na organização

Comunicação boato: definição, tipos, padrões, razões

A comunicação através de boatos é uma questão de sentimentos espontâneos. Alguns assuntos pessoais e outras situações podem causar esses sentimentos.

Keith Davis disse a esse respeito: “Os boatos são mais um produto da situação do que da pessoa”.

Exemplos típicos de situações que geram boatos incluem demissões, aquisições, promoções, a introdução de novas tecnologias, etc.

No entanto; fatores pessoais também incentivam o envolvimento ativo na videira.

6 razões pelas quais a comunicação boato acontece na Organização;

  1. A emoção dos Colaboradores.
  2. A existência de grupos informais e de pares.
  3. Informações excepcionais.
  4. Trabalho em si.
  5. Pessoas de natureza falante e atitude suspeita.
  6. Clima Organizacional.

As prováveis causas que podem ativar os boatos são discutidas abaixo:

Emoção dos Colaboradores

Algumas questões organizacionais, como a insegurança do serviço, a incerteza da promoção, a proibição de formar e aderir a sindicatos, minar o papel dos subordinados pelos superiores, etc., são susceptíveis de criar emoções na mente dos trabalhadores e deixá-los entusiasmados.

Assim, para aliviar as emoções e esfriar a excitação de alguns trabalhadores tendem a ativar boatos.

Existência de grupos informais e de pares

A videira é um símbolo que revela a existência de grupos informais e de pares na organização.

Para trocar assuntos mais pessoais e alguns organizacionais, eles começam a canalizar informações por meio de boatos.

Informações excepcionais

Eventos excepcionais ou informações como inovação de novos produtos, investimento na nova área, disponibilização de facilidades especiais a determinado funcionário, etc. devem ser divulgados por toda a organização.

Se não forem divulgados aos funcionários, alguém poderá ativar o canal de boatos.

Trabalho em si

Observa-se que alguns empregos ou cargos como assistente pessoal, secretária pessoal, motorista, etc. pela sua natureza podem conter algumas mensagens importantes e desempenhar um papel ativo na alimentação de informações na videira.

Keith Davis destacou a este respeito que – “Os secretários dos gestores têm quatro vezes mais probabilidade de serem comunicadores-chave, em comparação com outros funcionários”.

Pessoas de natureza falante e atitude suspeita

Pessoas de natureza falante ou suspeitas sobre qualquer assunto desempenham um papel ativo na canalização de informações através dos boatos.

Clima Organizacional

Hoje em dia, muitas organizações permitem que seus funcionários se comuniquem frequentemente. Isso também os inspira a ativar boatos.

Concluindo, podemos dizer que como os problemas ou situações acima mencionados são comuns em todas as organizações, independentemente do seu tamanho e natureza, a presença de boatos é inevitável.

O boato é mais um produto da situação do que da pessoa.

Conclusão

Comunicação Grapevine é um tipo de comunicação informal que opera através de canais internos e externos de uma organização. Ao contrário da comunicação formal, é espontânea e não segue um conjunto de regras prescritas.

A Grapevine Communication espalha informações rapidamente em diversas direções, regidas pelas relações sociais e pessoais, podendo transmitir opiniões, suspeitas e boatos.

A formação de redes informais de comunicação é influenciada por diversos fatores como a inadequação da rede formal, situações de crise, ativação de canais formais, tempo, necessidade de canais mais ricos e folga organizacional. Esses fatores são responsáveis pelo surgimento e funcionamento da Comunicação Grapevine dentro de uma organização.

As razões para a existência da Comunicação Grapevine incluem as emoções dos colaboradores, a presença de grupos informais e de pares, a divulgação de informações excepcionais, a natureza de determinados empregos, pessoas com atitudes falantes e desconfiadas e o clima organizacional. É mais um produto da situação do que da pessoa.