Concluindo a Auditoria: 3 Etapas da Conclusão da Auditoria

Concluindo a Auditoria: 3 Etapas da Conclusão da Auditoria

Vale ressaltar que os procedimentos executados na finalização da auditoria possuem diversas características distintas.

Por exemplo, não se referem a ciclos de transações ou contas específicas; são realizados após a data do balanço; envolvem muitos julgamentos subjetivos por parte do auditor e são geralmente realizados por gerentes de auditoria ou outros membros seniores da equipe de auditoria.

As 3 responsabilidades do auditor na conclusão da auditoria envolvem; concluir o trabalho de campo, avaliar as descobertas e comunicar-se com o cliente.

1. Concluindo o trabalho de campo da auditoria

1. Fazendo uma revisão de eventos subsequentes

Eventos subsequentes são eventos e transações que ocorrem após a data do balanço, mas antes da emissão das demonstrações financeiras e do relatório do auditor.

Com efeito, o período de eventos subsequentes estende-se desde a data do balanço até ao final do trabalho de campo.

Durante este período, o o auditor é obrigado pelo GAAS a descobrir a ocorrência de qualquer evento subsequente que tenha um efeito material nas demonstrações financeiras.

Contudo, o auditor não tem a responsabilidade de descobrir eventos subsequentes entre o final do trabalho de campo e a emissão do relatório de auditoria.

2. Leitura de atas de reuniões

A leitura das atas das assembleias de acionistas, do conselho de administração e de seus subcomitês pode revelar informações sobre assuntos de relevância para a auditoria. Estes devem ser lidos assim que estiverem disponíveis.

3. Obtenção de evidências relativas a litígios, reclamações e avaliações

Ao concluir uma auditoria seguindo o GAAS, o auditor deve determinar se os litígios, reclamações e avaliações são relatados em conformidade com as normas contábeis.

A administração representa a principal fonte de tais informações, enquanto uma carta de consulta de auditoria dirigida ao consultor jurídico externo do cliente é o principal meio do auditor de corroborar essas informações.

4. Obtenção de uma carta de representação gerencial

O auditor deve também obter declarações escritas da administração relativamente às matérias que sejam individual ou colectivamente relevantes para as demonstrações financeiras.

Tal carta complementa outros procedimentos de auditoria e pode revelar assuntos que de outra forma não seriam descobertos pelo auditor.

Deve-se notar que a recusa da administração em fornecer tal carta limita efetivamente o escopo da auditoria e poderia resultar na não emissão por parte do auditor de uma relatório de auditoria padrão.

5. Executando Procedimentos Analíticos

A realização de procedimentos analíticos no final do trabalho de campo é uma parte obrigatória de uma revisão geral.

Avalia as conclusões alcançadas durante a auditoria e avalia a preparação geral das demonstrações financeiras.

Os procedimentos são aplicados às áreas críticas de auditoria identificadas durante a auditoria e baseiam-se nos dados das demonstrações financeiras após o reconhecimento de todos os ajustes e reclassificações.

2. Avaliando as descobertas

Depois que uma equipe de auditoria coleta os fatos e conclui sua investigação, é hora de determinar seus resultados.

Para auditorias, os resultados são chamados de constatações de auditoria relatadas.

O primeiro passo é avaliar as evidências em relação aos critérios de auditoria. A evidência é a informação factual coletada ou observada durante a execução da auditoria.

Os critérios de auditoria são os padrões, procedimentos, regulamentos ou objetivos contra os quais a organização foi auditada. Os critérios representam requisitos que a organização deve cumprir.

Ao formular uma opinião sobre se as demonstrações financeiras estão apresentadas de forma apropriada, em todos os aspectos materiais, e em conformidade com o referencial de relato financeiro aplicável, o auditor deve ter em conta todas as evidências de auditoria relevantes, independentemente de parecer corroborar ou contrariar as afirmações constantes das demonstrações financeiras.

Na auditoria das demonstrações financeiras, a avaliação dos resultados da auditoria pelo auditor deve incluir a avaliação do seguinte:

  • Os resultados dos procedimentos analíticos realizados na revisão global das demonstrações financeiras (“revisão global”);
  • Distorções acumuladas durante a auditoria, incluindo, em particular, distorções não corrigidas;
  • Os aspectos qualitativos das práticas contábeis da empresa;
  • Condições identificadas durante a auditoria que se relacionam com a avaliação do risco de distorção material devido a fraude (“risco de fraude”);
  • A apresentação das demonstrações financeiras, incluindo as divulgações; e
  • A suficiência e adequação da prova de auditoria obtida.

Ao avaliar se as demonstrações financeiras estão livres de distorções relevantes, o auditor deve avaliar os aspectos qualitativos das práticas contábeis da companhia, incluindo possíveis distorções nos julgamentos da administração sobre os valores e divulgações nas demonstrações financeiras.

Suponha que o auditor identifique distorções nos julgamentos da administração sobre os valores e divulgações nas demonstrações financeiras.

Nesse caso, o auditor deve avaliar se o efeito desse enviesamento e o efeito de distorções não corrigidas resulta numa distorção material das demonstrações financeiras.

Além disso, o auditor deve avaliar se as suas avaliações de risco, particularmente a avaliação dos riscos de fraude e as respostas de auditoria relacionadas, permanecem apropriadas.

3. Comunicação com o cliente

1. Comunicação de questões de estrutura de controle interno

A comunicação da estrutura de controlo interno representa deficiências significativas na concepção ou operação da estrutura de controlo interno, o que pode afectar negativamente a capacidade da organização de registar, processar, resumir e reportar dados financeiros consistentes com as afirmações da gestão nas demonstrações financeiras.

A comunicação deve ser feita prontamente, durante a auditoria ou após a sua conclusão.

2. Comunicação de questões sobre conduta de auditoria

A comunicação com a comissão de auditoria exige que o auditor comunique certas questões sobre a condução da auditoria aos responsáveis pela supervisão do processo de relato financeiro.

Normalmente esta responsabilidade é atribuída a uma comissão de auditoria do conselho de administração ou a um grupo com autoridade equivalente, como uma comissão financeira.

O a comunicação pode ser oral ou escrita e pode ocorrer durante ou logo após a auditoria.

Quando a comunicação for por escrito, o relatório deverá indicar que se destina ao comitê de auditoria, ao conselho de administração e, se for o caso, à administração.

3. Preparando Carta de Gestão

Os auditores observam muitas facetas da organização empresarial e das operações do cliente durante um trabalho de auditoria.

Após uma auditoria, muitos auditores acreditam que é desejável escrever uma carta à administração, conhecida como carta à administração, que contenha recomendações não incluídas na comunicação exigida com o comitê de auditoria.

Estas recomendações geralmente dizem respeito à melhoria da eficiência e eficácia das operações da empresa. As cartas da administração podem incluir comentários sobre:

  • Assuntos de estrutura de controle interno que não são considerados condições reportáveis.
  • Gestão de recursos como cada estoque e investimento.
  • Assuntos relacionados com impostos.