3 types de risques en assurance

3 types de risques en assurance

Consensus lacks among the researchers as to which influence is more important than others or how the determinants of buying should be tied together. As a result of this, researchers developed many consumer behavior theories, each highlighting a particular influence.

Après avoir traité de la signification du risque, nous allons maintenant tenter de détourner notre attention vers un autre aspect de la nature du risque que nous appellerons Classification du risque.

Criteria of a Sound Theory of Consumer Behavior

Not all consumer behavior theories are good or sound. Certain theories may be termed as sound in explaining consumer behavior. How can you conclude that a theory is a sound?

  1. Obviously, there should have certain features in it to be considered as an ideal theory. Mr. John A. Howard, one of the leading authorities in this discipline, has offered several criteria of a sound theory of buyer behavior.
  2. If a consumer behavior theory contains the features offered by him, it may be called a good theory of consumer behavior. The criteria are mentioned below:
  3. A sound theory of buyer behavior describes the behavior and gives a reasonable description of that behavior. Let us say we have developed a consumer behavior theory on female customers’ behavior of dress materials. In the said theory, it is said that female customers of dress materials enjoy bargaining. This is a mere description of their behavior, not the explanation of the behavior. On the contrary, if the theory identifies which female customers enjoy bargaining, what are the reasons for such a practice, this can be termed as an explanation of behavior. So, a sound theory of buyer behavior describes the behavior, side by side, its explanation.
3 types de risques en assurance

Consumer behavior has been described as an interdisciplinary field of study. Hence, theories explaining consumer behavior take help, or developer must keep in mind that the findings that he considers in theory building should resemble the mainstream discipline he borrows. The findings of a particular discipline resemble mainstream thinking only when substantiated by the principal findings or avenues of research of the discipline concerned.

Consumer behavior theories help us to research different aspects of buyer behavior. Certain areas of behavior are well researched, and other areas have not received much attention. A sound theory gives us pointers on where research should be conducted, thus saving our time and resources, which otherwise would be channeled in unrelated dimensions.

A theory usually consists of several elements. To apply a theory in its proper perspective, one should understand what each of its parts or elements means. Also, he should be able to measure the elements using a certain yard-stick. But, what each of the elements of the theory stands for, and what is the yard-stick? A sound theory of buyer behavior gives answers to these two questions to the user of it. Therefore, a sound theory of consumer behavior fixes the precise meaning of its components and provides measuring devices to measure them.

The above mentioned four are the criteria of a sound theory of buyer behavior identified by Mr. John A. Howard.

  • But, according to Mr. Mittelstaedt, the following three are the basic criteria of a sound theory of consumer behavior:
  • A sound theory of buyer behavior is that which includes known characters of buyer behavior. For example, one of the known characters of buyer behavior is that it is affected by his culture’s principal norms. A theory that accounts for such known characters may be termed as a sound theory.
  • Consumer behavior theories are used to understand and predict the behavior of consumers. Marketers are not only interested in knowing the existing behavioral patterns that are influenced by different known regularities. Since societies and cultures are changing, there could be new characters observed in consumers, which may influence their behaviors. A sound theory of buyer behavior highlights such new characters that may be observed in consumers in the future. For example, the majority of Bangladeshi consumers do not enjoy self­service shopping. But, time may come when the majority may behave otherwise. A sound theory of
  • consumer behavior always highlights such future changes
  • A sound theory of buyer behavior is one that is a single unified theory. It is not based on eclectic borrowing.

Theories to Understand Consumer Behavior

Cognitive Dissonance Theory in Consumer Behavior

According to Festinger, when a person makes a decision, dissonance or discomfort will almost always occur. The person making the decision knows that it has certain advantages as well as disadvantages.

Les risques non financiers sont les risques dont l’issue ne peut être mesurée en termes monétaires.

Customers suffering cognitive dissonance may need reassurances that their decisions are or were wise ones. This can be accomplished by providing information that permits them to rationalize their decisions.

The theory further states that, even after a well-thought-out purchase, the consumers undergo some sort of discomfort, fear, or dissonance.

  • This post-decision anxiety is caused by noise arising from doubts about the decision taken. The consumers go on comparing the merits of the product bought with substitutes or start analyzing the drawbacks of the product.
  • Such customers require some reassurances from sellers stressing that the decision taken is a wise one. It is for this purpose that when automobiles or similar durable goods are sold, the seller gives a letter of congratulation on the wise decision to the buyer.
  • Though the theory was developed to explain the post-decision phenomenon, it is suitable for explaining pre­decision anxiety also. An important goal, both in advertising and personal selling, is to reduce cognitive dissonance on the part of buyers and prospects.
  • Role of Theory in Consumer Behavior
  • The role theory was developed by Erving Goffman. To him, every individual is an actor. As an actor, he plays different roles at different times to convey certain impressions.

Puisque le résultat ne peut être évalué en termes monétaires, nous qualifierons ces risques non financiers d’inassurables.

Risque pur et risques spéculatifs

Marketers nowadays use contemporary consumer behavior theories to

explain consumer behavior and undertake marketing activities

based on those theories.

Consumer behavior research undertaken by present-day marketers is based on scientific methods. The scientific method used here, though, is not precise as that of physical or natural sciences, but it closely resembles those (physical or natural) sciences.

The theory is defined as an exposition of any science’s general principles or the philosophical explanation of phenomena, either physical or moral. Philosophy is the science of the relations of causes, reasons, and effects of phenomena. Therefore, the theory explains phenomena or events that identify relations of causes, reasons, and effects, not a general explanation. It also identifies relationships among observable facts and combines the facts to carry certain meanings to the user.The explanation of phenomena or facts is also presented in theory in an orderly or systematic way to make it meaningful to the users. The role of theory in science may be summarized according to the following points:

  • Possibilité de dommages causés par le cyclone au bâtiment de l'usine,
  • Data that you consider in using a theory may fall into many categories. If you consider them together without distinguishing them according to their nature, you may lead in the wrong direction. Data should be classified systematically to make them more useful and meaningful to be on the right track. Theory indicates the method of such classification in an orderly manner.
  • Possibilité de panne de machines aux machines,
  • A teoria considera fatos. É uma explicação dos fatos de maneira ordenada. Além disso, também ajuda os investigadores ou utilizadores a prever factos que podem ser observados, desde que as circunstâncias permaneçam as mesmas. A previsão dos fatos ajuda enormemente os profissionais de marketing a desenvolverem suas estratégias para combater a concorrência de forma mais eficaz.
  • Você deve concordar conosco que ainda existem

muitas áreas do comportamento do consumidor

  • que são inexplorados. Como muitas áreas permanecem inexploradas, temos lacunas no nosso conhecimento sobre diferentes aspectos do comportamento do consumidor. A teoria identifica essas áreas inexploradas. Se as áreas forem conhecidas, a investigação poderá ser realizada e os resultados minimizarão as nossas lacunas de conhecimento. Teoria da Direção Interna versus Outra Direção,
  • Esta teoria foi apresentada pelo sociólogo David Reisman. De acordo com esta teoria, as pessoas e as sociedades em todo o mundo podem ser classificadas de acordo com três tipos sociológicos. O comportamento de um consumidor individual dependerá de onde ele se enquadra em uma dessas classes. As aulas são:
  • A tradição dirigia a sociedade,
  • Sociedade dirigida internamente, e

Outra sociedade dirigida.

Vamos considerar brevemente essas classes:

A tradição dirigiu a sociedade

Uma sociedade dirigida pela tradição é aquela onde as mudanças ocorrem muito lentamente. Numa sociedade assim, as pessoas dependem totalmente dos laços familiares alargados. As pessoas destas sociedades são menos móveis em termos de perspectivas, áreas de vida, profissão e praticamente todas as áreas das suas vidas, incluindo o consumo.

Sociedade dirigida internamente

Uma sociedade dirigida internamente, por outro lado, é aquela em que as pessoas são altamente móveis em tudo. Nessas sociedades, a industrialização ocorre muito rapidamente e as pessoas gostam de acumular capital.

As pessoas nesta sociedade estão bem informadas sobre o cenário do mercado e são altamente exigentes, o que coloca uma enorme pressão sobre os profissionais de marketing.

Les pertes résultant de telles causes peuvent être catastrophiques et ressenties par un grand nombre de populations, par la société ou par l’État, même si un individu peut faire partie de cette catastrophe. Les exemples courants sont :

  • Outra sociedade dirigida
  • A outra sociedade dirigida, por outro lado, é imaginária. Acredita-se que essas sociedades tenham ultrapassado
  • a necessidade de industrialização e socialização dos seus indivíduos como consumidores e não como produtores. Eles não estão nem um pouco preocupados com a realização pessoal e a satisfação interior.
  • Mas, na realidade, será difícil encontrar uma sociedade que tenha ultrapassado a necessidade de industrialização. Portanto, tal sociedade ainda continua sendo um sonho.

Teoria da Utilidade Marginal no Comportamento do Consumidor

Esta teoria foi desenvolvida por economistas clássicos. Segundo eles, o consumidor continuará a comprar produtos que lhe proporcionem a maior utilidade ou a máxima satisfação a preços relativos. Ele continua comprando e consumindo um produto por tanto tempo que a satisfação total aumenta e evita a insatisfação.

Normalement, les risques fondamentaux n'étaient pas censés être assurables en raison de leur ampleur et étaient considérés comme relevant de la responsabilité de l'État. Aujourd'hui, en raison de la demande et de la solidité des assureurs, ces risques sont facilement assurables.

Como cliente, você comprará um bem porque sente que ele lhe proporciona satisfação ou utilidade. A primeira unidade de um bem proporciona certa utilidade ou satisfação psicológica.

Agora imagine consumir uma segunda unidade. Sua utilidade total aumenta porque a segunda unidade do bem lhe dá alguma utilidade adicional. Que tal adicionar uma terceira e uma quarta unidade do mesmo bem?

À medida que você consome mais do mesmo bem, sua utilidade (psicológica) total aumenta.

Contudo, utilizemos o termo utilidade marginal para nos referirmos à utilidade extra adicionada por uma última unidade extra de um bem.

Nous pouvons qualifier ces risques de nature personnelle. Les exemples courants sont :

  • Este facto, de que os incrementos na utilidade total diminuem, os economistas descrevem da seguinte forma:
  • Tabela abaixo mostrando a Lei da Utilidade Marginal Decrescente
  • Quantidade de um bem consumido
  • Utilidade Total
  • Utilidade Marginal
  • À medida que a quantidade consumida de um bem aumenta, a utilidade marginal do bem (ou a utilidade extra adicionada pela sua última unidade) tende a diminuir, conhecida como lei da utilidade marginal decrescente.

Les risques particuliers sont des risques assurables et la plupart des assurances portent sur ces risques.

A tabela acima mostra que consumir a primeira unidade de um item dá ao consumidor uma utilidade de, digamos, 4 unidades. Neste caso, a utilidade total e marginal é 4.

A segunda unidade do item também lhe dará alguma utilidade, mas não igual à primeira, pois seu desejo diminui. Depois de consumir a segunda unidade, sua utilidade total é 7 e a utilidade marginal é 3, pois ele obtém 3 unidades de satisfação com a segunda unidade.

À medida que ele consome mais do mesmo item, a utilidade marginal cai gradualmente. Esse padrão continuará durante o terceiro e quarto itens até que finalmente, talvez no quinto, deixe de oferecer qualquer satisfação.

Esta teoria defende a visão de que o homem é racional em todas as suas atividades e as decisões de compra são o resultado de cálculos económicos.

A lição que os profissionais de marketing podem tirar desta teoria é que, por mais atraente que seja o produto, ele não pode ser vendido em quantidades ilimitadas a um indivíduo, conforme este decidir com base na utilidade marginal decrescente.

Le risque de dégâts causés par les inondations est-il le même pour les deux usines ?

Le simple bon sens voudrait que le risque d'inondation concernerait davantage la première usine (au bord du fleuve) que la deuxième usine (en amont).

Teoria da Indiferença no Comportamento do Consumidor

A teoria da indiferença afirma que os consumidores formam preferências por uma combinação de produtos em detrimento de outras. Afirma também que eles (consumidores) permanecem indiferentes a algumas outras combinações. As combinações de produtos que os consumidores veem com indiferença podem ser plotadas em um gráfico que dará alguns pontos.

Se unidos, esses pontos nos darão uma curva denominada curva de indiferença. Todas as combinações de produtos que cairão na curva de indiferença ou acima dela serão definitivamente consideradas mais satisfatórias pelos consumidores e, como resultado, eles realizarão atividades para comprá-los e consumi-los.

As combinações de produtos que ficarão à esquerda ou abaixo da curva de indiferença serão vistas negativamente, pois são consideradas menos satisfatórias do que as combinações que caem na curva de indiferença ou acima dela.

Como resultado, os consumidores tentarão evitar comprar e consumir produtos destas combinações (que ficam abaixo da curva de indiferença).

A lição que os profissionais de marketing podem tirar desta teoria é que devem fazer o seu melhor para produzir e oferecer produtos de uma forma que seja considerada acima da curva de indiferença. Se vistos assim, é provável que vendam melhor do que os produtos concorrentes.

Teoria da Renda e Poupança no Comportamento do Consumidor

Esta teoria baseia-se no facto de que o poder de compra é o verdadeiro determinante da compra. O poder de compra, por outro lado, depende do rendimento disponível, ou seja, o rendimento que sobra após o pagamento dos impostos e da poupança.

Para facilitar a forma como as pessoas distribuem as alterações no seu rendimento total entre gastos e poupanças, existem dois conceitos dados pelos economistas:

A propensão marginal a consumir, e

A propensão marginal a poupar.

Os profissionais de marketing estão interessados ​​em examinar o efeito ou as alterações na renda sobre os gastos e a poupança, pois isso terá uma influência direta nos hábitos de compra.

A teoria afirma que os gastos de consumo pessoal tendem a aumentar e a diminuir a um ritmo mais lento do que o rendimento disponível. Em certas situações, as despesas aumentam mais rapidamente do que o rendimento e, noutros momentos, uma proporção maior pode ser poupada.

Embora a teoria não explique o comportamento do consumidor em termos específicos, o conceito é utilizado no planejamento e análise da demanda.

Teoria do Aumento da Renda no Comportamento do Consumidor

A teoria do rendimento crescente recebeu a forma actual por Ernst Engel. Esta teoria afirma que o padrão de gastos do consumidor muda com a mudança na sua renda. À medida que o rendimento aumenta, as despesas na maior parte do

itens provavelmente aumentarão. Mas os aumentos não seguem o mesmo padrão.

Segundo Engel, à medida que a renda aumenta, o percentual gasto com alimentação tende a diminuir e o percentual gasto com moradia e móveis tende a permanecer constante. Ele, no entanto, observou que a percentagem da renda gasta em luxos e poupanças tende a aumentar.

Teoria da Aprendizagem ou Resposta ao Estímulo

Purlon, Skinner, Thorndike e Kotler desenvolveram esta teoria com base em experimentos que conduziram em animais. Segundo eles, a aprendizagem ocorre quando a pessoa responde a algum estímulo e é recompensada com a satisfação da necessidade de uma resposta correta. Eles provaram que os estímulos mais recentes e frequentes são lembrados e respondidos. Essa abordagem é a base de anúncios repetidos.

A teoria da resposta ao estímulo, após constantes refinamentos, baseia-se agora em quatro processos centrais. Eles são impulso, sugestão, resposta e reforço. Os impulsos são necessidades ou motivos mais fortes, enquanto uma sugestão é um estímulo mais fraco. A resposta é a reação resultante de alguns estímulos. Se for baseado em uma sugestão, a resposta pode mudar de uma marca para outra com base na experiência anterior.

Em outras palavras, as pistas criarão diferentes graus de respostas em diferentes ocasiões. O reforço é o processo pelo qual as experiências gratificantes do passado são fortalecidas. É aqui que as preferências de marca são fortalecidas, levando à fidelidade à marca. O objetivo de dar amostras grátis de produtos recém-lançados nada mais é do que ativar esse reforço.

Como você abordou agora as teorias do comportamento do consumidor; confira explorar a diretriz completa em

3 types de risques en assurance

Ici, l’axe vertical représente la fréquence de l’événement de perte et l’axe horizontal représente la gravité (coût) de la perte.

Dans les maisons d'habitation privées, la fréquence des vols est assez élevée, mais les pertes sont toutes de petits vols clandestins.

Ce qui est démontré ici, c'est que plus le nombre d'incidences ou la fréquence augmente, plus la gravité diminue, et que plus la fréquence diminue, plus la gravité augmente.

Cette position est également étayée par une étude bien connue appelée Heinrich Triangle.

Cela a été fait à propos des cas d'accidents du travail, qui ont révélé que le nombre de blessures corporelles graves chez les ouvriers résultant d'accidents du travail est bien inférieur à celui des blessures corporelles mineures ou de l'absence de blessures du tout.

L'étude a été réalisée auprès de travailleurs employés dans diverses industries. L'objectif était de connaître le nombre de dommages corporels résultant d'accidents du travail et leur gravité.

L’étude a révélé que pour chaque blessure grave, il y avait relativement 30 blessures mineures, et que dans 300 incidents, il n’y avait aucune blessure :

3 types de risques en assurance

Il s’agit du comportement normal de la plupart des risques.

Cependant, un scénario typique peut émerger dans de rares cas où, avec l’augmentation de la fréquence, la gravité augmente également, comme le montre le diagramme suivant :

3 types de risques en assurance

Ici, à mesure que la fréquence devient de plus en plus élevée, la gravité augmente également. Il s’agit normalement de risques de très grande valeur tels que la pétrochimie, les avions et les navires, etc.

Il est important de compléter l’étude de la signification du risque et de comprendre le péril et l’aléa.